Arquivo da categoria ‘Vídeos’

Quem Matou Phillip Marshall?

Publicado: 23/03/2013 em Vídeos

Será que essa é mesmo a pergunta a ser feita?

Eu tenho uma outra pergunta que pra mim é muito mais interessante…
“Porque os Contribuintes da Verdade sempre se Suicidam?”

Na maioria das vezes é suicídio, mas há algumas em que se tem um câncer de ultima hora, um AVC inesperado entre outras causas RIDÍCULAS.

Pois bem… Phillip Marshall, pesquisador, escritor e ex-piloto da Cia, foi encontrado morto em 02 de Fevereiro de 2013, juntamente com a sua família e seu cachorro.

Para as autoridades esta questão é um suicídio, mas de acordo com aqueles que o conheciam Phillip, ele vivia com medo desde que ele publicou seu livro “The Big Bamboozle: 9/11 ea Guerra ao Terror”, em que culpa o governo dos Estados Unidos pelos ataques.

Phillip escreveu no livro que a administração Bush, com a cooperação de inteligência saudita, responsável pelos ataques terroristas de falsa bandeira em 11 de setembro de 2001 às Torres Gêmeas.

De acordo com a Santa Barbara View, durante o processo de edição e pré-reservar comercialização Marshall, expressa algum grau de paranoia, porque o livro de não-ficção acusando o presidente George W. Bush para ser em conluio com os serviços de inteligência da Arábia Saudita na formação dos sequestradores que morreram nos aviões usados ​​nos ataques.

Phillip e Seus dois Filhos

“Pense nisso”, disse Marshall no ano passado, em um comunicado, “A versão oficial de um fantasma (Osama bin Laden) em uma caverna do outro lado do mundo, derrotando todos os estabelecimento nossos militares em solo dos EUA é absolutamente absurdo “.

Marshall também passou a dizer: “A verdadeira razão para o ataque ter sido um sucesso foi devido a uma operação coordenada que preparou o treinamento dos sequestradores para voar aviões comerciais de grande porte. Temos dezenas de documentos do FBI para provar que o treinamento de voo foi realizado na Califórnia, Flórida e Arizona, nos 18 meses anteriores ao ataque. ”

Depois de um exaustivo estudo de 10 anos do ataque mortal que usou um Boeing lotado de passageiros e tripulantes de como mísseis guiados, estou 100% convencido de que uma equipe secreta de agentes de inteligência sauditas foi a fonte a logística, treinamento de voo, financeiro e tático visando o essencial para sequestradores, 18 meses antes do ataque. Esta conclusão foi proposta há seis anos e todos os testes posteriores só confirmaram essa conclusão.

Em 1 de março, dois ex-senadores norte-americanos. de posições distintas, também levantaram a possibilidade da participação da Arábia Saudita nos ataques que mataram 3.000 pessoas e estimulou a guerra global contra o terrorismo. Em depoimento, os ex-senadores Bob Graham e Bob Kerrey disseram acreditar que o governo saudita desempenhou um papel direto nos ataques terroristas“.

 Vejamos outros casos de mortes sem nexos, de pessoas que simplesmente queriam espalhar para o mundo o que sabiam…

Aqui no Brasil mesmo, aquele Coronel da Reserva, o Uirangê Hollanda, que expôs ao mundo um relatório que a FAB negou que existia na televisão, mostrando em detalhes, carimbos e assinaturas que não só era tudo verdade como tratava-se de um insólito problema de segurança nacional envolvendo discos voadores, acabou suicidando logo depois, com a corda do roupão na cabeceira da cama, em Cabo Frio onde ele morava.

Coronel Uirangê, herói nacional e mártir da Ufologia ou um simples suicida?

Os teóricos da conspiração viram no suicídio de Uirangê uma forte evidência de que quem trai o juramento do segredo, se dá mal.

Muitos ufólogos que ficaram amigos do militar afirmam não acreditar que ele tenha realmente se suicidado, lançando suspeitas sobre uma conspiração de assassinato.

Estranhas semelhanças com o suposto suicídio de Hollanda encontram par no controverso suicídio do jornalista Vladmir Herzog. Aliás, a família que sempre lutou pela verdade do suicídio forjado, recebeu, na tarde da última sexta-feira (15) um novo atestado de óbito no Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo (USP) e um pedido formal de desculpas do Estado brasileiro. O documento traz como causa da morte “lesões e maus-tratos sofridos durante o interrogatório nas dependências do segundo Exército DOI-Codi”. No atestado anterior, a versão para o óbito era de “enforcamento por asfixia mecânica”, curiosamente a causa mortis de Uirangê.

vladimir herzog Quem matou Phillip Marshall?   Curiosidades
Vladimir Herzog – o mais famoso caso brasileiro de “suicidação”

Phil Schneider – Esse cara era um especialista em explosivos que cavou bases subterrâneas para o governo dos EUA. Ele dizia ter operado em nada menos que 129 instalações, a principal delas, base de Dulce, onde ele teria revelado uma operação de ação entre alienígenas e militares.phil schneider torturado Quem matou Phillip Marshall?   Curiosidades

Foto do corpo de Phil torturado

Phil conta nessa palestra como foi ferido num confronto com aliens numa base dos EUAInclusive, Phil chegou a mostrar ferimentos que teriam sido causados em 1979, durante uma revolta interna num dos níveis da base subeterrânea, ocasião em que nada menos que 66 agentes especiais de segurança interna foram mortos pelos aliens. Após uma série de palestras em que revelou esse e outros segredos militares, (alguns muito difíceis de acreditar) o cara  foi encontrado morto, em situação extremamente similar ao do Uirangê, estrangulado com uma corda de piano apertada enrolada no pescoço. Até hoje as circunstâncias de sua morte parecem altamente controversas. Phil havia avisado a diversos outros pesquisadores que uma equipe estava tentando matá-lo, já tendo feito ações sem sucesso, como sabotar seu carro.

Pra piorar, todo o material que Phil utilizava para dar as palestras havia sido roubado do apartamento dele, mas objetos de valor como ouro, dinheiro e jóias não foram tocados. Nenhuma carta de suicídio foi encontrada. Phil sempre afirmara que se um dia fosse encontrado morto e atribuíssem a causa a suicídio, seria mentira.
Dr. James McDonald– tentou convencer o Congresso a analisar a situação UFO. Ele foi encontrado morto em uma suposta cena de suicídio com tiro.

Ron Rummel – Esse era amigo do Phil Schneider, e também teria sido “suicidado”. Ron Rummel era ex-agente de inteligência da Força Aérea e editor do Boletim Alien, em 6 de agosto de 1993. Rummel supostamente deu um tiro na boca com uma pistola. Amigos dizem, no entanto, que nenhum sangue foi encontrado no cano da pistola e o cabo da arma estava livre de impressões digitais. Além disso, de acordo com informação que circula atualmente, a nota de suicídio deixada pelo falecido foi escrito por uma pessoa canhota. Rummel era destro. Suor no corpo cheirava pentotal de sódio, ou assim que se alega. Aliás, foi com a morte de Ron, que Phillip começou suas palestras, mostrar suas cirurgias (o cara ficou todo arrebentado do confronto com os aliens)

Ron Johnson

Uma morte igualmente perturbadora foi a de Ron (Jerrold) Johnson, que era vice diretor da MUFON (o maior e mais serio grupo de análise do fenômeno Ufo nos EUA). Johnson tinha 43 anos e, ao que parece, gozava de excelente saúde. Ele tinha acabado de passar por um checkup completo pouco antes de morrer, o que contribuiu para o estranhamento de sua morte. Em 9 de junho de 1994, enquanto participava de uma reunião da Sociedade de Exploração Científica em Austin, no Texas, Johnson morreu subitamente. Durante uma apresentação de slides, várias pessoas sentadas perto dele ouviram um suspiro. Quando as luzes foram novamente acesas, Johnson estava caído sobre sua cadeira, com o rosto roxo, e havia sangue escorrendo de seu nariz. Uma lata de refrigerante, da qual ele  bebericado, estava posicionada na cadeira ao lado dele. teria Ron Johnson morrido de um AVC? Reação alérgica? Queima de arquivo?

O que se sabe com certeza é que Ron sabia de muita coisa sigilosa. Por exemplo, seu trabalho mais recente foi com o Instituto de Estudos Avançados, supostamente trabalhando em sistemas de propulsão dos UFOs. Ele tinha sido anteriormente funcionário da Earth Tech, Inc., uma companhia privada de Austin, Texas, dirigido por Harold Puthoff. Ele teria um passe de acesso de alta segurança, viajava freqüentemente entre San Antonio e White Sands, e tinha assistido duas reuniões secretas daOrganização do Tratado do Atlântico Norte no último ano. A pauta de uma dessas reuniões envolvia comunicação alienígena. Com tamanho grau de acesso, os investigadores que se debruçaram sobre a morte dele acreditam que Ron estava, como dizem popularmente, “acendendo uma vela para Deus e outra para o diabo” e isso não era bom aos interesses vigentes. Isso é intensificado pela autópsia: um pouco ridícula, e a causa mortis oficialmente classificada como inconclusiva. O caso não para aí. Logo após a morte de Ron, durante um vôo uma enfermeira relatou ter assistido a uma morte rigorosamente idêntica, com um passageiro não identificado. Ela teria se apresentado como enfermeira e tentou ajudar, mas algumas pessoas a impediram. Os especuladores de plantão viram nisso uma tentativa de eliminar os rastros, apagando o agente que teria matado Ron usando o mesmo artifício.

Danny Casolaro – Esse cara era um repórter investigativo em busca de informações sigilosas sobre o roubo de software do Projeto Promise, um programa capaz de rastrear qualquer pessoa em qualquer lugar do mundo. O cara morreu em 1991, em mais um suicídio estranho e aparentemente sem motivo. Curiosamente, Casolaro também estava investigando assuntos como UFO “NO-nos”, Pine Gap, Área 51 e bioengenharia governamental.

Mae Bussell – Mae Bussell era um ativista valente, apresentador de rádio investigativo, que morreu de um câncer de ação rápida como Ann Livingston e Turner Karla. Bussell era extremamente interessado em Ufologia.

Deck Slayton, o astronauta, estava pronto para falar sobre suas experiências de OVNIs, mas num súbito câncer também faleceu.

Brian Lynch – jovem psíquico e contatado, morreu em 1985, supostamente de uma overdose de drogas. Segundo a irmã de Lynch, Geraldine, Brian foi abordado cerca de um ano antes de sua morte por um agente da inteligência que trabalhava para a empresa PSI-tech. Geraldine disse Brian lhe contou antes de morrer que eles estavam experimentando em técnicas de guerra psíquicas. Após sua morte, uma nota em seus objetos pessoais foi encontrado com as palavras “Cinco milhões do Pentágono para o projeto Scanate”.

Capitão Don Elkin -Piloto da Eastern Airlines, Don Elkin apareceu morto como um suposto suicídio. Na ocasião, ele já estava investigando o encobrimento UFO há pelo menos 10 anos e, na época, estava profundamente imerso no estudo de algo chamado “material Ra”, com Ária Rucker.

Também são estranhas as mortes de 30 e tantos cinetistas, alguns associados a pesquisa SDI (Star Wars) da Marconi Ltd. na Inglaterra aproximadamente entre 1985-1988:

Roger Hill, designer da Marconi Defense Systems, alegadamente comete suicídio com uma espingarda, Março de 1985.

Jonathan Walsh, especialista em comunicação digital empregado pela GEC, empresa proprietária da Marconi, cai de seu quarto de hotel, em novembro de 1985, depois de expressar a conhecidos que estava “temendo pela sua vida”. Assim como também o fez Phil Schneider.

Ashad Sharif, outro cientista da Marconi, teria amarrado uma corda em volta de seu pescoço, e depois, prendeu a outra ponta numa árvore. Daí entrou no carro e pisou no acelerador, com resultados previsíveis. (morte digna do Jason!)

Em março de 1988, Trevor Knight, também associado com a Marconi, foi encontrado morto por intoxicação por monóxido de carbono em seu carro.

Peter Ferry, diretor de marketing da empresa, foi encontrado eletrocutado com fios elétricos em sua boca (agosto de 1988).

Também durante o mesmo mês do mesmo ano, Alistair Beckham foi encontrado eletrocutado com um fio preso ao seu corpo e sua boca tampada com um lenço. Ele era um engenheiro da empresa aliada dos Sistemas de defesa Plessey. Daí podemos perguntar, porque alguém que vai cometer suicídio se dá ao trabalho de encher a boca com um lenço? Não está com cara de interrogatório que deu errado?

Andrew Hall – cientista que foi encontrado morto em setembro de 1988, de intoxicação por monóxido de carbono.

Dorothy Kilgallen – Essa foi uma jornalista muito bem sucedida em seu tempo. Ela era super bem relacionada e estava a par de muitos segredos do governo britânico. Quem investigou sua morte supôs que ela pudesse estar relacionada com dois despachos que ela fez. O primeiro, enviado em fevereiro de 1954, mencionou uma “reunião especial em segredo de chefes militares do mundo”, programada para ocorrer no verão seguinte. O despacho de 1955, que precedeu sua morte causada por uma overdose de pílulas para dormir e álcool (a la Marilyn Monroe), citou um funcionário não identificado do gabinete  britânico de informações, que teria dito a ela:  ”Acreditamos, com base em nossa investigação até agora, que os discos são tripulados por pequenos homens, provavelmente com menos de um metro e vinte de altura. É assustador, mas não há como negar que os discos voadores vêm de outro planeta.” 

Dr. James McDonald, Físico sênior do Instituto de Física Atmosférica e também professor do Departamento de Meteorologia da Universidade do Arizona, morreu em 1971 supostamente de um ferimento de bala na cabeça. Não há ninguém que tivesse trabalhado mais nos anos 60 do que McDonald para convencer o Congresso a expor ao mundo a realidade do fenômeno  UFO, do qual ele estava completamente convencido. James foi definitivamente uma pedra no sapato de quem investia para encobrir os fatos oficiais.

Dr. MIL Jessup -Não há duvidas que o astrônomo e arqueólogo M.K. Jessup cometeu suicídio em Dade County Park, FL. As coisas não estavam indo bem para ele, e ele, deve-se admitir, MIL indicou sua tristeza aos amigos mais próximos, Ivan Sanderson, biólogo, e Long John Nebel, o conhecido apresentador de rádio. Sanderson relatou que ele vinha sendo perturbado por “uma série de eventos estranhos” que o colocaram “em um mundo completamente insano de irrealidade.” MIL era um conhecido investigador do tema UFO, e o que chamou atenção no caso deste cara foi que a autópsia (obrigatória por lei) não foi realizada. O Sargento Obenclain, que estava no local logo após o corpo de Jessup ser descoberto, disse que para o registro, “Tudo parecia muito profissional.” A mangueira do escape do carro foi ligada no interior do veículo, usando uma mangueira de maquina e lavar. Jessup morreu na hora do rush, enquanto dirigia. Ele havia sido visitado por Carlos Allende três dias antes de sua morte, e de acordo com sua esposa, vinha recebendo telefonemas estranhos. Muitos acreditam que seu “suicídio” pode ter sido um assassinato, já que Jessup estava fuçando em algo que até então era secreto e permaneceria assim por algum tempo: o Experimento Filadélfia

Frank Edwards – Um conhecido comentarista de notícias, morreu de um suposto ataque cardíaco em 24 de junho de 1967, no 20 º aniversário do avistamento de Kenneth Arnold. Fora a data curiosa, outros caras que eram ligados a ufologia dos EUA morreram no mesmo dia! Aparentemente tudo foi uma só “operação cala a boca”. Os mortos todos estavam ligados a ufologia.: Arthur Bryant, o contatado, Richard Church, presidente do CIGIUFO e o escritor sobre o espaço, Willie Ley. As circunstâncias que cercam a morte de Edwards, que como James McDonald estava pressionando para reuniões significativas do subcomitê do Congresso, levanta desconfiança. Acontece que a “Conferência Mundial de UFOLOGIA” estava sendo realizada em Nova York no hotel Commodore no mesmo dia em junho, presidido pelo editor e autor de UFO Gray Barker. Barker declarou publicamente que tinha recebido duas cartas e uma chamada telefônica ameaçando que Frank Edwards, que não estava presente, não estaria vivo até o final da conferência. Dito e feito. (certamente não foi a Mãe Dinah)

E fora os que morrem, tem os que somem, o que é bem pior, aliás. Um dos mais famosos ufólogos que sumiram sem deixar vestígio foi Dr. B. Noel Opan, que, em 1959, depois de uma alegada visita de MIBs, desapareceu, assim como Edgar Jarrold, o ufólogo da Austrália, em 1960.

Um bom exemplo disso foi a operação queima de arquivo realizada com o até então praticamente desconhecido,  polônio 210 –substância radioativa que matou o ex-espião russo Alexander Litvinenko, 43. As quantidades encontradas em seu organismo eram tamanhas que ele poderia ter sido morto mais de 100 vezes com aquela dose.
Espião Russo

O polônio 210,  cujos traços foram encontrados em 12 locais de Londres, se tornou recentemente um dos principais personagens de jornais em todo o mundo. Em uma carta só divulgada após sua morte, o ex-agente secreto, que morreu em 23 de novembro no University College Hospital de Londres, acusou Putin pelo envenenamento.  Posteriormente, a Scotland Yard confirmou a suspeita de todos: a morte do russo de 41 anos foi um assassinato. fonte fonte

Outro caso bastante intrigante envolvendo supostos espiões ocorreu com o o candidato da oposição à presidência da Ucrânia, Viktor Yushchenko, ele foi envenenado com a dioxina do tipo TCDD,  que é a dioxina mais perigosa. Ele ficou com o rosto deformado como conseqüência do atentado.
Viktor Yushchenko

Tudo começou quando Yushchenko anunciou que lançaria candidatura como um potencial presidente nas eleições de 2004 na Ucrânia. Pouco tempo depois, ele ficou seriamente doente e alegou que sua doença foi o trabalho de agentes do governo. Quando ele apareceu em público, seu rosto estava cheio de marcas, e desfigurado. Médicos austríacos confirmaram Yushchenko foi envenenado com dioxina. Embora ninguém havia admitido para o envenenamento, Yushchenko sugeriu seu envenenamento foi ligado a um jantar que teve com um grupo de altos funcionários ucranianos, incluindo o chefe do Serviço de Segurança da Ucrânia.

A contaminação pela “dioxina”, em pequenas doses, é um modo engenhoso de matar opositores, já que não é facilmente notável porque, em curto espaço de tempo, não gera sintomas. Mas, como são cumulativas no organismo, as intoxicações pela “dioxina” podem provocar doenças fatais, sem marcas e sem qualquer identificação da origem.

A dioxina é hoje considerada a mais violenta substância gerada pelo homem, seu grau de periculosidade ultrapassa até o urânio e o plutônio. Esta substância surge quando moléculas de cloro são submetidas a altas temperaturas, em presença de matéria orgânica, nestas condições algum tipo de dioxina é gerada, visto que a dioxina é membro de uma numerosa família que atinge 200 membros, onde se incluem os furanos, igualmente periculosos.

Entre as conseqüências da inalação da dioxina, o surgimento do câncer pode estar associado, como também o extermínio das defesas orgânicas (doença comparada à AIDS). Aliás, é com base em casos desse tipo, que os caras da Venezuela acusam a CIA de ter matado o Hugo Chavez.

 

Infeliz cujo aquele que acredita nos Governos, principalmente os Americanos!

É… o avião caiu!

Publicado: 22/07/2011 em Vídeos

E chapeuzinho vermelho existe!

A tempos queria escrever um post sobre o “acidente” com o presidente da Polônia e as circunstâncias para lá de suspeitas em que ele aconteceu. Neste post vou expor algumas das motivações, as inconsistências da versão oficial, um vídeo que teria sido feito após o acidente, cuja autenticidade foi confirmada pelo serviço secreto polonês, onde policiais estariam atirando em sobreviventes e algumas novidades, como que o serviço secreto polonês afirmou que o vídeo fosse autêntico e que se descobriu 3 vozes estranhas dentro da cabine do avião logo antes do acidente.
Vamos primeiro ver as motivações que levariam a um assassinato do presidente da polônia:

Rejeição a Política de vacinacão em massa contra o H1N1

Vimos meses atrás como a Polônia foi o único país que não se sujeitou às políticas de vacinação em massa impostas pela OMS e os laboratórios farmacêuticos. Neste artigo, de junho de 2009, a Polônia se dizia desconfiada da vacinação e das exigências dos fabricantes de vacinas. Neste outro, A ministra polonesa da Saúde, Ewa Kopacz, afirmou que os governos “não devem ser reféns dos laboratórios”, explicando que a Polónia decidiu recusar encomendas de vacinas contra a pandemia por causa das condições impostas pela indústria, que pareceram “pelo menos duvidosas”. Kopacz também afirmou que os laboratórios recusaram assumir responsabilidade por quaisquer efeitos nefastos das vacinas. Alíás, porque então seria diferente com o Brasil?

Temos ainda este post, no qual mostramos como a Polônia foi elogiada pelo Conselho da Europa por sua estratégia de não vacinação durante a gripe suína.

Rejeição a extensão de crédito do FMI

12 dias antes do acidente, durante uma visita à Varsóvia do diretor do FMI, Dominique Strauss-Kahn, o banco central da polônia emitiu uma declaração afirmando que o país ex-comunista já não precisava de ajuda do FMI:

“A situação da economia polonesa e do sistema financeiro é suficientemente boa … de tal forma que não é necessário pedir ao FMI para uma nova extensão da linha de crédito flexível. O banco central disse que poderia ao invés fazer um empréstimo do FMI para “ajudar outros países a superar os efeitos da crise global.””

A Polônia é o único país que não está em recessão na Europa, é até cresceu 2,75% este ano e 1,7% no ano passado, e as projeções de crescimento são ainda maiores para o próximo ano. Sua dívida é muito baixa quando comparado com outros países em cerca de 50% do seu PIB.

Ameaça a vetar os planos da EU contra mudanças climáticas

Em 2008, a Polônia e a Itália foram os únicos países a ameaçarem vetar os planos da União Européia em relacão às alterações climáticas.

Inconsistências

Alegações que o avião tentou aterrissar várias vezes devido a forte neblina

Apesar de relatos do avião ter tentado pousar 3 vezes em meia a forte neblina, um oficial da aviação russa afirmou à BBC que o avião tentou pousar apenas uma vez. uas outras evidências contradizem a história oficial da neblina: o vídeo amador (que pode ser visto mais abaixo) mostra que não havia nenhuma neblina na área. A outra evidência é que geralmente neblina requer 100% de humidade (a não ser que tenha sido criada artificialmente), e pelo que pode ser visto na informação sobre o tempo em Smolensk, a humidade era de apenas 60%.

Alegações que o Tupolev TU-154 teria histórico de problemas de segurança

Apesar da mídia ter alardeado sobre possíveis problemas de segurança deste modelo de Tupolev, outras fontes informam que este tinha acabado de ter sido revisado, seus três motores reparados e colocados novos equipamentos eletrônicos e de navegação.
O avião também tinha sido instalado um radar TAWS, ou “Sistema de Aviso de Terreno”, que teria disparado um alarme antes de se chocar com uma árvore, que é o que consta dos relatos oficiais.

Alegações que o piloto não falava russo

Vários jornais relataram que o piloto no falava russo e isto gerou confusão durante a aterrissagem. Mas colegas do piloto relataram que este era fluente em russo.

Luzes desligadas no aeroporto

De acordo com o jornal polonês TVN, as luzes foram desligadas na pista, e luzes foram colocadas na foresta de forma a enganar o piloto. Literalmente, falsas lâmpadas foram colocadas e então removidas após o acidente. De acordo com o jornal, quando reporteres questionaram sobre as luzes, foram mandados embora.

Radar desligado antes da visita

De acordo com um artigo da infowars, o rador no aeroporto militar onde o avião presidencial pousaria foi desabilitado após um encontro do primeiro ministro polonês Tusk e Putin uma semana antes do acidente, em uma importante reunião para a qual o presidente e políticos polacos não havia sido convidados.

Corpos

Supostamente, os corpos foram enviados para Moscou e eventualmente contabilizados. Mas isto contradiz a gravação da voz do piloto, no qual relata que havia apenas 4 pessoas a bordo.
PILOTO: “tolko posadka… a u nas CZIETYRJE czielovieka.”
“apenas pousando… e aqui a bordo nós somos apenas QUATRO pessoas”
Provavelmente os supostos passageiros foram levados para outra localização.

Vídeo amador é genuíno

Um vídeo amador postado no youtube, onde pode ser vistos a área do acidente, mostra policiais dando tiros e vítimas correndo e sendo mortas.

De acordo com o jornal polonês Polska Web, os tiros no vídeo amador do local do acidente Tupolev são verdadeiras, segundo o jornal polonês “Nasz Dziennik”, citando fontes do serviço secreto polonês.

Agentes do serviço secreto polonês estavam entre os primeiros no local do acidente, alegadamente correndo lá para proteger o corpo do presidente Lech Kaczynski.

No entanto, verificou-se que o Ministério Público polaco não tem idéia de onde o telefone por satélite de Kaczynski está, de acordo com Polskaweb, embora Kaczynski muito provável teria o telefone próximo a ele na sua hora da morte.

De acordo com meios de comunicação social polaca. agentes poloneses criaram um cordão de isolamento ao redor do corpo de Kaczynski e dispararam tiros de advertência para manter os russos fora.

Essa história não corresponde com as imagens e os diálogo no filme de vídeo amador, que sugerem claramente quatro sobreviventes do acidente foram baleados, o que provocou temores de que os investigadores polacos estariam envolvidos em um encobrimento do assassinato da elite polonesa.

A seguir você pode ver o vídeo que a história acima menciona. Abaixo do vídeo está a tradução do diálogo:

00:13 Calma!
00:18 Olhe-o nos olhos.
00:22 Calma!
00:29 Oh, meu Deus!
00:30 Todas elas!
00:31 Mate-os!
00:38 (sirene soando no aeroporto)
00:45 cercam! Vá ao redor! Ele está fugindo!
00:47 Me dê uma arma.
00:49 Vem cá, seu bastardo!
00:50 Matem-no!
00:51 Não nos matem.
00:51 Não nos matem.
00:55 Meu Deus, meu Deus, o que é isso?
00:55 Shoot.
00:56 (Ruído recarregamento a arma)
00:57 (Tiro # 1)
01:01 Você nunca vai fugir com ele!
01:07 (Tiro # 2)
01:09 (risos)
01:13 Mudança de planos – voltar!
01:14 Voltem todos – mais rápido!
01:14 (Tiro # 3)
01:17 (Tiro # 4)
01:20 Vamos sair daqui.

Neste outro vídeo abaixo, Jane Burguemeister faz um resumo dos acontecimentos em torno do acidente com o presidente da Polônia.

Vozes estranhas na cabine do avião

O jornal australiano ABC News reportou neste 19 de maio que oficiais russos identificaram 3 vozes dentro da cabine do avião logo antes deste cair que não pertenciam a ninguém da tripulação. Eles ainda não identificaram a quem as vozes pertenciam ou o que eles disseram.

O que aconteceu com a Polônia desde então?

Desde o acidente de avião a Polônia teve várias mudanças em sua política, concretizadas desde que o novo primeiro ministro, Bronisław Komorowski, desde que assumiu o cargo.

Marek Belka, diretor do departamento europeu do FMI, ex-primeiro ministro da Polônia e membro do Clube Bilderberg foi nomeado o novo diretor do banco central da Polônia. A nomeação de Marek acontece mais de um mês depois da morte de Slawomir Skrzypek, que era o chefe do banco central, e sendo que a atual prosperidade da Polônia foi atribuída à suas ações.

Também foi sinalizado que a Polônia muito em breve adotaria o euro, o principal instrumento dos globalistas para endividar países e derrubar suas economias.
Além disto, várias privatizações foram anunciadas,.

Atencão: Este artigo poderá ser atualizado com mais informacões que surgirem.

Fontes:
Polska Web: Shots on amateur video genuine, say Polish secret services 
ABC Austrália: Unknown voices in cockpit before Polish plane crash 

Dalje: Poland no longer needs IMF credit line 
EU Observer: Italy, Poland threaten to veto EU climate package
BBC: Was Polish crash pilot under pressure to land? 
PolskaWeb: Polens neuer Nationalbank-Chef in Deutschland gebacken

Charlie Sheen na Causa…

Publicado: 15/07/2011 em Vídeos

Video no Youtube: Charlie Sheen Exige Reabertura da Investigação dos Ataques de 11 de Setembro

Charlie Sheen

Charlie Sheen

O ator Charlie Sheen deu seguimento asua carta “20 minutos com o Presidente”ao se dirigir diretamente ao presidente Obama em um vídeo-clipe no You Tube, para pedir que ele use de seu poder executivo para reabrir o inquérito sobre os eventos de 11 de setembro e suas consequências.

Na terça-feira, Sheen publicou um peça de ficção de um encontro com o presidente americano no qual Obama foi confrontado sobre o que Sheen diz ser um acobertamento acerca dos evento de 11 de setembro. Em sua carta, Sheen solicita um encontro real com Barack Obama.

Agora Sheen levou seu desafio um passo adiante ao aparecer em um vídeo no youtube que pede para Obama ficar “do lado correto da história”, re-abrindo a investigação dos eventos de 11 de setembro, enquanto salienta que a maioria da comissão de investigação publicamente rejeitou a versão oficial do governo, com o ex-senador e membro da comissão Max Cleland que rotulou a resposta do governo às questões da comissão como “repugnante” e “cambalacho”. O vídeo-clipe, o qual eu traduzi para português, segue abaixo.

Faça a sua parte, envie este vídeo para todas as pessoas que você conhece, não deixe a verdade morrer pelos interesses destes que impõem sua política de violência e intimidação pelo mundo inteiro. Agora é a hora das pessoas do mundo inteiro se unirem contra a elite militar e financeira do império anglo-americano. Trazer a verdade acerca dos fatos de 11 de setembro é apenas o começo!!
Nota: Youtube parece estar segurando o contador, que esta parado em 315, embora tenhamos mais de 3000 visualizações desta página sozinha. Deixe seu comentário no youtube para aumentar a proeminência do vídeo nos canais do youtube.

H1N1…

Publicado: 06/07/2011 em Vídeos

Governo: “O que vamos esconder? A verdade ou a Mentira?”

Por http://www.anovaordemmundial.com

Porque Precisamos Destas Informações?

Acho que primeiramente cabe aqui uma breve explicação do porquê de eu ter iniciado esta investigação. Como todos sabem, ano passado tivemos no Brasil uma campanha gigantesca de vacinação contra o vírus H1N1. Não vamos nos aprofundar no mérito da necessidade desta vacina (a gripe sazonal matou no mesmo período do ano passado 27 mais vezes que a gripe H1N1), nem no fato da OMS ter alterado os critérios para declaração de pandemia um mês antes de fazê-lo para favorecer os laboratórios farmacêuticos (veja aqui e aqui). Acontece que durante a vacinação, alguns jornais e emissoras de TV locais, mais difíceis de controlar, publicaram diversos casos de mortes de crianças, casos de paralisia (Síndrome de Guillain-Barre – SGB) e diversos outros problemas de saúde que aconteceram logo após a aplicação da vacina. No entanto, apesar do Ministério da Saúde afirmar que estava monitorando de perto todos os casos de efeitos adversos, as estatísticas nunca foram divulgadas. De acordo com uma nota do Ministério da Saúde publicada ano passado, “O sistema de vigilância de eventos adversos pós-vacinal do Ministério da Saúde possibilita a identificação precoce de problemas relacionados com as vacinas distribuídas ou pós-comercialização, como objetivo de prevenir e minimizar os danos à saúde dos usuários“. Com base nesta informação, achei oportuno que esta informação fosse divulgada, pois as pessoas precisam saber do risco associado à vacina. Apesar dos órgão de saúde insistirem que a vacina não tem nenhum risco, em outra nota (convenientemente retirada do ar) foi afirmado que “”devido à forma acelerada de produção industrial da vacina contra o vírus H1N1, não há no momento dados disponíveis sobre todos os efeitos colaterais…“.

Outra informação solicitada era relacionada aos contratos firmados com os laboratórios que fabricam as vacinas. Foi amplamente divulgado pela mídia internacional (excluindo a tendenciosa mídia brasileira é claro) que os laboratórios farmacêuticos estavam ganhando imunidade legal por quaisquer problemas causados pela vacina H1N1, como eu já havia divulgado  aqui e aqui. A Polônia não promoveu campanha de vacinação, e uma das razões era exatamente a exigência por parte dos laboratórios de que estes não seriam responsáveis legalmente por quaisquer efeitos colaterais (mais detalhes aqui).  No ano passado, em um email com mais mentiras do que verdades sobre a gripe suína, dizia que “Indústrias farmacêuticas receberam imunidade judicial quanto a ações ocasionadas por efeitos da vacina, como morte e invalidez“.  Em uma nota divulgada ao público o Ministério da Saúde se limitou a responder que “Não temos essa informação“. Achei então muito oportuno pedir também que estes contratos fossem divulgados, para que não restassem dúvidas em relação a este rumor, que o próprio Ministério da Saúde e a imprensa corporativa chamaram de boato na época.

Minha Saga

Preocupado com os possíveis efeitos adversos da vacina H1N1 na saúde de meus conterrâneos brasileiros, eu resolvi agir, enviando um email em 28 de Março de 2010 para diversos setores da Anvisa, perguntando quem seria o responsável por tais informações. No dia seguinte, recebi uma resposta informando que “a identificação, notificação, manejo e análise das suspeitas de EAPV – qualquer ocorrência clínica indesejável em indivíduo que tenha recebido algum imunobiológico- relacionadas às vacinas influenza (H1N1) e sazonal, são de responsabilidade da Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunização da SVS/MS (CGPNI/SVS/MS) em colaboração com a Gerência de Farmacovigilância da Anvisa (GFARM/NUVIG/ANVISA)“. Esta pessoa também me informou que estaria enviando minha solicitação ao setor de Farmacovigilância da Anvisa. Após muita insistência, o setor de Farmacovigilância me enviou um email no dia 9 de abril contendo as bulas das vacinas sendo utilizadas. Obviamente respondi dizendo que não era esta a minha solicitação, e no dia 12 de abril fui informado de que quem teria estas informações seria o CGPNI – Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde. Eu então dia 18 de abril enviei um email para o CGPNI, solicitando ” informacão dos casos de efeitos adversos suspeitos e confirmados relacionados com a aplicação da vacina H1N1 até este momento“. Jamais recebi qualquer resposta deste órgão. Resolvi então contatar diretamente, e no dia 26 de abril eu liguei e conversei com a Sandra Maria Deotti, que me informou que iria verificar e responder o meu email nos próximos dias. Desnecessário dizer que ela nunca me respondeu. Após inúmeras tentativas, consegui falar com a Sandra Deotti novamente, e foi quando ela me informou que havia conversado com seu superior e que este havia orientado para não divulgar as informações por mim solicitadas. Eu perguntei se ela poderia me enviar isto por escrito, e ela me respondeu que não. Ela disse ainda que eu deveria fazer uma solicitação formal, direcionada ao Secretário de Vigilância e Saúde. Como morava no exterior, tentei insistir um pouco mais, e contatei outros funcionários no CGPNI, que foram muito solícitos, mas que no fim informaram também que não poderiam divulgar esta informação. A esta altura, totalmente frustrado, enviei um email ao setor de toxicologia informando que havia sido negado o acesso à informação, e pedindo orientações. Fui então informado para contatar a Ouvidoria da Saúde.

Resolvi usar a ouvidoria do ministério da saúde e da Anvisa, que teoricamente deveriam ser os canais corretos para que qualquer cidadão possa obter informações.  No dia 14 de junho consegui criar uma demanda junto à Ouvidoria Geral do SUS, solicitando os números sobre os efeitos adversos da vacina contra o vírus H1N1, e também sobre o conteúdo dos contratos com os laboratórios farmacêuticos fabricantes desta mesma vacina. Acho que seria um insulto à inteligência dos leitores deste blog repetir que mais uma vez fui ignorado. Em 2 de dezembro fiz um novo contato com a ouvidoria para reclamar da demora na resposta.

Ao mesmo tempo, tentei encontrar o órgão responsável por firmar e manter os contratos com os laboratórios farmacêuticos, que deveriam ser capazes de divulgar o conteúdo de um contrato que teoricamente deveria ser público. Dia 28 de abril eu enviei um email ao DECIT (Departamento de Ciência e Tecnologia), o qual eu havia sido informado que teria as informações relativas aos contratos, e este me respondeu que não seria o responsável por tais informações, e que “sua mensagem foi encaminhada para o setor responsável para que suas dúvidas possam ser esclarecidas“. Enviei outro email perguntando qual seria este setor responsável e a resposta foi somente que “Ela irá lhe responder“. Um ano depois e vários emails pedindo uma resposta (os quais foram ignorados), não recebi nenhuma mensagem acerca do paradeiro destes misteriosos contratos.

Ao fim do ano passado, ao ver que teria que tomar uma medida mais drástica para obter qualquer resposta, eu e um advogado leitor deste blog produzimos um ofício formal solicitando ambas as informações descritas acima. O ofício foi enviado no dia 17 de fevereiro, sendo que o advogado recebeu o número do protocolo. Até hoje não recebemos nenhuma resposta sobre o assunto.

Indignação

Agora vocês me digam se não é para ficar indignado? Eu usei de todas as vias legais possíveis para tentar obter esta informação. Fui paciente e civilizado. E nada!!!  Como estas informações, estatísticas de efeitos adversos e contratos com fornecedores de vacina, que em outros países são divulgadas na rede e para a imprensa, aqui no Brasil se esconde atrás de uma burocracia sem fim. O que falta no Brasil é uma lei similar as que existem nos EUA e Inglaterra, a chamada FOIA – Freedom of Information Act (Ato da Liberdade de Informação). Esta lei permite que qualquer cidadão possa solicitar informações ou documentos pertencentes ao estado. Os órgão responsáveis pelas informações e seus representantes podem ser até mesmo punidos se recusarem a informar ou segurarem as informações. Uma lei deste tipo seria ideal para evitar não só estes problemas, mas como poderia acabar com grande parte da corrupção neste país.

Estou colocando abaixo o meu pedido junto à ouvidoria, e logo a seguir, a famigerada resposta que obtive, um mês atrás. Eu irei informá-los se tiver qualquer resposta em relação ao ofício enviado em fevereiro (esperem sentados). Neste meio tempo, o que eu recomendo fazer, é que todos que lerem esta mensagem façam pedidos similares para a ouvidoria do SUS através do Portal da Ouvidoria ou do número 0800 61 1997. Vamos ver se conseguirão ignorar a todos! E por favor, escrevam a sua experiência nos comentários deste post. Participe também da discussão em nosso fórum Anti-NOM.

_______________________________________________________________

Solicitação junto a Ouvidoria do SUS:

Recebemos a manifestação por meio do serviço disque saúde na qual o cidadão solicita dados existentes sobre os casos de reações adversas da vacina h1n1 no brasil de forma mais detalhada possível com quebra por gênero, idade, estado, tipos de reação, gravidade se foi confirmado ou nao e a razão de terem ou não sido confirmados, incluindo resultados de quaisquer exames e diagnósticos relativos ao
Caso. Se possível o cidadão gostaria que essas informações fossem exportadas para um arquivo que possa ser importado em um banco de dados (arquivo texto separado por vírgulas) . O cidadão gostaria também que fossem divulgados os contratos firmados com os laboratórios fabricantes da vacina h1n1. O cidadão informa que entrou em contato com diversos órgãos tentando obter essas orientações,
Primeiramente com a sra. Mirtha susana yamadatanaka ( e – m a i l : susana.Tanaka@anvisa.Gov.Br) no dia 29/03/2010 onde a mesma o encaminhou para o setor de farmácia e vigilância. Recebeu a reposta do referido setor no dia 12/04/2010 dizendo que o responsável seria a coordenação geral do programa nacional de imunizações. O cidadão encaminhou um e-mail para o cgpni no dia 18/04/2010 solicitando novamente as informações mencionadas acima no qual nunca recebeu a resposta. No
Dia 26/04/2010 o cidadão ligou na cgpni onde conversou com a sra. Sandra maria deotti que iria verificar o e-mail do cidadão e iria responder o quanto antes, porém tentou contato diversas vezes sem êxito. No mesmo órgão conversou com a sra. Ivone também sem resposta satisfatória. No dia 14/05/2010 falou novamente com sra. Sandra a mesma disse que conversou informalmente com seus superiores onde não teve sucesso e indicou o cidadão a procurar diretamente o secretário de vigilância em saúde, sr. Gerson pena. O cidadão encaminhou um e-mail para ele e oito pessoas diferentes do
Mesmo gabinete porém em nenhum dos contatos conseguiu uma resposta até o momento. Após isso o cidadão retornou o contato para a cgnpi onde conversou com a sra. Silvia cristina vieira silva lima (silvia.Cristina@saude.Gov.Br). Segundo cidadão a sra. Silvia foi bem atenciosa e prometeu resolver sua situação. No dia 19/05/2010 a sra. Silvia pediu por e-mail uma solicitação formal e garantiu o pronto-atendimento da demanda, o cidadão encaminhou o e-mail imediatamente. No dia 11/06/2010 o cidadão ligou para a sra. Silvia e a mesma informou que havia enviado sua solicitação para o setor
responsável e que não tinha resposta ainda, pediu para o cidadão passar um e-mail com todo o ocorrido até momento para que pudesse pressionar o setor responsável na cgpni.

Observação do atendente:
O cidadão conversou com a sra. Sandra novamente no dia 14/05/2010. A mesma Disse que conversou informalmente com seus superiores onde mesmos informaram que não forneceriam tal informação. Quando o cidadão solicitou essa resposta formalmente via e-mail a sra. Sandra se negou a fornece-la.
O cidadão não souber informar o setor responsável no qual a sra. Silvia encaminhou a sua demanda.

Data: 08/12/2010 12:10:46
Observação do cidadão:
Em 08/12/2010 cidadão entrou em contato novamente para reiterar a sua manifestação e solicitar que a copia do espelho da demanda seja enviada para o seu e-mail.

_______________________________________________________________

Resposta Ouvidoria SUS

Mensagem de conclusão da demanda

Prezado(a) sr(a) XXXXXXXXXXXXXX,

Referente a sua demanda sob o protocolo: 227070

Esclarecemos que o departamento de ouvidoria do sus tem como atribuições, dentre outras: receber solicitações, reclamações, denúncias, elogios, informações e sugestões encaminhadas pelos usuários do sus e levá-las ao conhecimento dos órgãos competentes sejam eles federais, estaduais ou municipais.

Por oportuno, informamos que por oportuno informamos que a seguinte resposta foi fornecida pela coordenação geral do programa nacional de imunização – pni/devep/svs a este departamento de ouvidoria: “” considerando a solicitação contida por meio do protocolo de atendimento de nº 227070 que solicita dados de reações adversas pela utilização da vacina contra a gripe pandêmica h1n1, a coordenação geral do programa nacional de imunização tem a esclarecer: a organização mundial de saúde (oms) em 11 de junho de 2009 deferiu o alerta máximo de uma pandemia com o novo vírus influenza pandêmico (h1n1). A figura abaixo mostra a disseminação da doença em diversos países, confirmando uma pandemia. Segundo a oms, do início da pandemia ao final do ano epidemiológico de 2009, em 2 de janeiro de 2010, houve notificação de circulação do vírus pandêmico em 208 países, territórios ou comunidades. Sendo que no final do ano de 2009, as áreas com maior atividade na transmissão eram o centro, o oeste e o sudeste da europa, norte da áfrica e sul da ásia. Em 2009, foram notificados 12.799 óbitos confirmados laboratorialmente. A tabela abaixo mostra regiões com representação da oms, com países e população, apresentando a taxa de mortalidade e óbitos por influenza pandêmica. Acredita-se que este número esteja subestimado, pois representa apenas casos confirmados laboratorialmente. Muitos podem ter sido confirmados por critério de vínculo epidemiológico ou não classificados, o que aumenta o número e a taxa de mortalidade. No mesmo período, o brasil registrou 2.051 óbitos por influenza pandêmica em 2009, apresentando uma taxa de mortalidade de 1,1/100 mil habitantes. Entre a semana 29 e 52/2009 foram notificados 87.171 casos de síndrome respiratória aguda grave (febre+tosse+dispnéia), sendo que 44.544 (51,1%) foram confirmados para influenza pandêmica h1n1. O rápido progresso da doença aliado à alta susceptibilidade dos indivíduos levou a crer que boa parte da população mundial poderia ser afetada nos próximos anos, suscitando aos países o desenvolvimento de estratégias de vacinação contra o referido vírus. Os programas de vacinação têm sido uma das medidas mais seguras e custo-efetivas em saúde pública. Não há nenhum outro procedimento que produza resultados tão excelentes na redução de morbimortalidade e que apresente tantas possibilidades, como a de erradicar doenças. As práticas de vacinação programadas e organizadas têm permitido evitar milhões de mortes e incapacidades ao longo da história, como por exemplo, a erradicação da varíola no mundo, a eliminação da poliomielite em várias regiões do planeta, a interrupção da transmissão endêmica do vírus do sarampo, além da eliminação da rubéola e síndrome da rubéola congênita no brasil. As vacinas são aplicadas a pessoas ou indivíduos sadios de maneira que sua inocuidade e qualidade revestem-se de grande importância. As vacinas atuais são muito seguras, pois cumprem estritos parâmetros de qualidade desde sua produção até a sua aplicação. Em geral, estão entre os produtos farmacêuticos mais seguros para o uso humano, proporcionando amplos benefícios à saúde pública de um país. A vacinação segura constitui um componente prioritário do programa nacional de imunizações do ministério da saúde do brasil, o qual procura garantir a utilização de vacinas de qualidade, aplicar rigorosamente as boas práticas de imunização, monitorar os possíveis eventos adversos pós-vacinação (eapv) que por ventura possam ocorrer, além de fortalecer alianças com os meios de comunicação com mensagens claras sobre as estratégias, prioridades e segurança da vacinação. As vacinas influenza pandêmica h1n1 utilizadas no brasil foram produzidas pelo instituto butantã por meio de acordo de transferência de tecnologia do laboratório sanofipasteur, laboratório glaxosmithkline (gsk), e laboratório novartis, segundo as recomendações da organização mundial da saúde (oms). Para esclarecimento em relação à composição das vacinas pode-se dizer que as vacinas têm, em geral, quatro componentes: antígeno: é o componente mais importante, cujas características são dependentes do tipo de vacina. Pode ser um agente infeccioso inativado ou atenuado, partes do agente, toxóides bacterianos inativados, dentre outros; solvente: pode ser apenas água estéril, mas pode também ter pequenas quantidades dos constituintes biológicos em que são produzidas as vacinas (proteínas, células de meios de cultura); conservantes, antibióticos, estabilizadores: são substâncias que servem para evitar invasões bacterianas ou dar estabilidade ao antígeno, tais como: o 2-fenoxietanol e o tiomersal ou timerosal, que são os conservantes mais utilizados; adjuvantes (adjuvare, ajudar): adjuvantes são produtos, que se usam frequentemente na composição de vacinas para melhorar a resposta imunológica e conferir proteção de longa duração. Uma de suas vantagens está na capacidade de produzir mais vacinas a partir de uma dada quantidade de antígeno, permitindo, portanto que se vacinem mais pessoas. Entre os mais utilizados se incluem certos sais de alumínio e emulsões (derivados do escaleno – as03 e mf59). Os sais de alumínio quando administrados promovem uma reação inflamatória local com estimulação das células dendríticas, que participam da resposta imunológica e assim conferem proteção de longa duração. Entende-se por evento adverso pós-vacinação (eapv) todo agravo à saúde relacionado temporalmente à vacinação, causado ou não pela vacina administrada. Esses eventos podem ser relacionados à composição da vacina, aos indivíduos vacinados, à técnica usada em sua administração ou a coincidências com outros agravos. De acordo com sua localização podem ser locais ou sistêmicos e de acordo com sua severidade ou intensidade, podem ser leves, moderados ou severos. As vacinas influenza têm um perfil de segurança excelente e são bem toleradas. São vacinas inativadas, o que significa que contem somente vírus mortos e há comprovação que não podem causar a doença. Entretanto alguns eventos adversos são relatados. Manifestações locais como dor e sensibilidade no local da injeção, eritema e enduração ocorrem em 10% a 64% dos pacientes, sendo benignas e autolimitadas geralmente resolvidas em 48 horas. Em quase todos os casos há uma recuperação espontânea e não requerem atenção médica. ? possível também que apareçam manifestações gerais leves como febre, mal estar e mialgia que podem começar entre 6 e 12 horas após a vacinação e persistir por um a dois dias. Essas manifestações são mais frequentes em pessoas que não tiveram contato anterior com os antígenos da vacina (por exemplo as crianças). Reações de hipersensibilidade são raras e podem ser devido à alergia a qualquer componente da vacina.””.

Com o objetivo de avaliar o atendimento prestado por esta ouvidoria do sus, solicitamos gentilmente que o(a) sr(a) entre em contato conosco para confirmar as informações acima, num prazo máximo de 60 dias a contar desta data.

Caso não haja nenhuma manifestação contrária sua demanda será considerada atendida e arquivada.

Atenciosamente,

Ouvidoria do sus

Mensagem automática. Não responda este e-mail.

Ouvidoria geral do sus
Ministério da saúde
Setor da administração federal (saf) sul
Quadra 2 lotes 05/06 ed. Premium torre i
3º andar sala 305
70070-600, brasília-df, 0800 61 1997

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Governo Mente…

Publicado: 16/06/2011 em Vídeos

… A Ciência Não!

Download >> Crimes do Aerosol Chemtrails (Rastros Químicos – Provas)
Download >> Legendas (Rastros Químicos – Provas) 

Rastros Químicos

Rastros Químicos ou chemtrails

Documento em vídeo para aqueles que ainda não sabem o que são e para que servem os rastros deixados em toda a parte do mundo. Explicação cientifica e lógica das diferenças entre aviões em vôos intercontinentais e vôos para soltar AEROSOL QUÍMICO.

Documentos mostrando que GOVERNANTES estão mentindo e que estão pouco se lixando para qualquer preocupação da população. Para mim essas declarações em documentos é simplesmente um assinado de CULPA por todos aqueles que fazem parte da conspiração.

 

“Devemos nós unir e ver uma forma de combater esse mal literalmente… pois o demônio que nasceu e se criou na America, nunca vencerá o Deus que nasceu e se criou no meu coração!”

Download >> Crimes do Aerosol Chemtrails (Rastros Químicos – Provas)
Download >> Legendas (Rastros Químicos – Provas)

Junte-se ao Governo Mundial…

Publicado: 15/06/2011 em Vídeos

… ou morra!

É um plano arquitetônico quase que perfeito, pensem:

Falsificar documentos, pesquisas, números… forjando assim, uma série de catástrofes  ambientais, na qual quase todo o planeta irá acreditar que esta realmente acontecendo. Então, toda e qualquer pessoa que saiba da VERDADE sobre essa farsa, mentira, maquinação… e tentar passar a mesma para qualquer pessoa próxima, mostrando todo tipo de prova que existem, não somente aqui nesse blog mas em muitos outros parceiros conhecidos e desconhecidos do mundo, Serão taxados de desumanos, sem coração, escoria da humanidade… por todos que não enxergam e são facilmente manipulados pelo plano maligno (O lobo vestido de Ovelha) que esta sendo executado.

Então, os malvados serão vistos como os mocinhos e nós como os que não querem salvar o Planeta. Existe uma frase num filme 2012 que me deixa com mais força para continuar, que é assim: “É humilhante ter que admitir que esse bando de malucos com cartazes nas mãos estavam certos o tempo inteiro”.

O H.A.A.R.P já esta mais do que indiciado pela culpa dessas catástrofes ambientais mundiais… E com ela, alguns governos (Matéria = O que não sai nos Jornais).

Assista…

Alimentos

Publicado: 15/06/2011 em Vídeos

Download >> Alimentos – O último Segredo Exposto

Alimentos - O último Segredo Exposto

Alimentos - O último Segredo Exposto

O Último Segredo Exposto

Vídeo muito educativo que mostra de modo bem apropriado o que estão fazendo com nosso alimento. Alex Jones expõe esse terrivel segredo que está bem diante de nossos olhos e jamais poderemos ver se não sairmos do “convencional”. Note que ao final do vídeo os comentários de Jones não correspondem com a realidade brasileira, pois aqui não temos opção praticamente. Aliás no supermercado Whole Foods nos EUA TODO o mercado é orgânico e com bons produtos. Aqui as seções de orgânicos e não tóxicos são pra lá de modestas.

Fonte: www.world-revolution.com

Download >> Alimentos – O último Segredo Exposto