Arquivo de julho, 2011

Operação Black-Jack…

Publicado: 25/07/2011 em Textos
…a Morte de Osama e o Próximo Ataque Nuclear de Falsa Bandeira
Neste post você verá por que existe uma grande chance de que usem a morte do Osama para justificar um suposto ataque da Al-Qaeda usando armas nucleares. Iremos definir o conceito de ataque de falsa bandeira e relembrar a operação Black-Jack, uma série de quadrinhos publicada no jornal londrino Telegraph, cuja história era exatamente esta: ataques nucleares combinados em diversos lugares do mundo, seguido por ataques a diversos países hostis aos EUA, e a total perda de direitos no mundo inteiro. Esta possibilidade ficou ainda mais clara depois que lí algumas reportagens alarmistas de uma semana atrás, onde mostrava documentos do wikileaks que levantavam a possibilidade da Al-Qaeda ter em sua posse bombas nucleares. Não quero alarmar ninguém, mas acho importante que as pessoas tenham consciência do que pode acontecer.

No post de hoje mais cedo sobre a morte de Osama Bin Laden, eu comentei que usariam a morte do Osama Bin Laden para justificar uma suposta retaliação da Al-Qaeda, o que criaria o pano de fundo ideal para levar a cabo mais um ataque terrorista de falsa bandeira.

Ataque de Falsa Bandeira

Para quem não sabe, ataque de falsa bandeira é quando um governo ataca a si mesmo e faz parecer ter sido outro, de forma que possa levar adiante sua própria agenda, tais como iniciar uma guerra, ou implementar uma ditadura. Pode parece fantasia, mas no passado, outros ataques de falsa bandeiraforam utilizados para promover invasões, iniciar guerras e ganhar o apoio popular, como Hitler fez com o Incêndio do Reichstag, que possibilitou passar um plano ditatorial de emergência, também o plano daOperação Northwoods, que consistia em lançar ataques terroristas contra o próprio EUA e depois por a culpa em
Cuba, mas que  acabou não sendo posto em prática. O incidente do golfo de Tonkin foi também utilizado como pretexto para iniciar a guerra do Vietnam, e mais tarde um documento secreto divulgado mostrou que os EUA que tinham atacado o Vietnam e que outros navios vietnamitas acusados de atacarem nem existiam. E claro, o ataque de 11 de setembro, o maior ataque de falsa bandeira que já aconteceu. Apenas quem não olhou os fatos ainda acredita na versão oficial deste ataque.

Al-Qaeda Nuclear

Nos dias 25 e 26 de abril, alguns jornais reportaram um novo cabo divulgado pelo Wikileaks, que passou meio desapercebido, pelo menos por mim. Obrigado ao nosso membro do fórum Novus Ordo por ter divulgado. Eu traduzi abaixo parte do texto publicado no site do jornal britânico The Telegraph:

Uma das figuras mais proeminentes do grupo terrorista Al-Qaeda advertiu que esta havia obtido e escondido uma bomba nuclear na Europa, e que seria detonada caso Osama bin Laden fosse  morto ou capturado.

Khalid Sheikh Mohammed, o cérebro da Al-Qaeda que está agora enfrentando julgamento nos Estados Unidos sobre os atentados de 11 de setembro, estava envolvido em uma série de planos, incluindo ataques a instalações nucleares dos EUA e um plano para lançar um “inferno nuclear” nos Estados Unidos.

Alguns detentos exibiam um conhecimento aparentemente abrangente das defesas dos países ocidentais contra ataques nucleares.

De acordo com os arquivos do WikiLeaks (cablegate), um detento da Líbia, Abu Al-Libi, “tem conhecimento que a al-Qaeda possivelmente possui uma bomba nuclear”. Al-Libi, o chefe operacional da Al-Qaeda e um colaborador próximo de Osama bin Laden antes de sua detenção, alegadamente sabia da localização de uma bomba nuclear na Europa, e que esta seria detonada se bin Laden fosse morto ou capturado.

Sharif al-Masri, um egípcio capturado em 2004, alegadamente afirmou que Al-Libi disse que os terroristas que levariam a cabo os ataques nucleares “seriam europeus de ascendência árabe ou asiática”. As notas mostram que os interrogadores dos EUA gastaram uma grande quantidade de tempo tentando estabelecer se a Al-Qaeda teve acesso a materiais nucleares.

Salman Yehah Kasa Hassan, um agente da Al-Qaueda do Iêmen, teria dito que “um parceiro um de seu irmão foi preso tentando vender urânio por 500 mil dólares”. No entanto, após as autoridades iemenitas confiscarem o urânio, havia rumores deste ter desaparecido em uma transação com Osama bin Laden”.

Mohommad Zahir, um “traficante de armas” do Afeganistão, foi detido em 2003, alegadamente transportando um memorando referindo-se a “duas ou três latas de urânio”, “destinadas à produção de uma bomba atómica”.

Outro detido “discutiu a questão do urânio enterrado em Kandahar”.

Outros presos falaram sobre “um navio adquirido pela Al-Qaeda”, que se destinaria a ser usado “para transporte de armas, explosivos e, possivelmente, o urânio comprado de países ao longo do Mar Vermelho e Mar Mediterrâneo”.

Os EUA tinham particular interesse em uma rede de cientistas nucleares e militares chamados de “Ummah Tameer Nau”, que foi criada “para ajudar na divulgação das modernas realizações ciêntíficas e tecnologia entre os muçulmanos”.

Al-Qaeda, aparentemente, também explorou regularmente o uso de produtos químicos em ataques, acreditando que seria mais fácil entrar com estes produtos noo EUA do que com material nuclear. O uso de agentes biológicos, incluindo o antraz, também foi considerado. Um dos detidos supostamente alegou que Ammar al-Baluchi, sobrinho de Khalid Sheikh Mohammed, discutiu “como contrabandear explosivos e produtos químicos para a Inglaterra”.

De acordo com os cabos dos EUA, outro agente da Al-Qaeda chave discutiu sobre uma “bomba suja” com outros conspiradores, a qual “iria combinar explosivos convencionais com urânio ou outro material radiológico”.

O material nuclear “será lançado ao longo de uma região limitada devido à explosão, expondo todos dentro da área ao material radioativo”. O objetivo dos terroristas seria causar uma “doença latente para a maioria, assim como o pânico generalizado muito além da área afetada”.

Muito suspeito que menos de uma semana após a divulgação destes cabos, Osama bin Laden é supostamente assassinado, o que irá criar pano de fundo ideal para que um suposto ataque nucelar terrorista recaia diretamente sobre a Al-Qaeda, e muito possivelmente contra os países que não se alinham com os EUA, como o Iran e a Síria. Já havia publicado neste blog (aqui e aqui)  nossas suspeitas sobre o wikileaks, e como este estaria encobrindo a agenda da elite de criar seu famigerado governo mundial. Podemos ver que tudo segue um script muito bem definido, e eu espero de coração que o final deste script não seja o que parece ser.

Operação Black-Jack

Em maio de 2009, o jornal britânico The Telegraph publicou  durante 5 semanas (uma parte a cada semana) uma bizarra história em quadrinhos na seção de Cultura de seu site. Eu acompanhei na época estes quadrinhos, e confesso que fiquei um pouco impressionado, mas em vista dos acontecimentos correntes, esta história parece ainda mais real hoje. Para poupar tempo, eu irei fazer apenas um breve resumo da história aqui, com alguns dos quadrinhos (acabou ficando um grande resumo :)). Pretendo fazer uma tradução completa da história mais para a frente.

Esta história se inicia no dia 20 de junho (não fala qual ano), quando o serviço secreto britânico MI5 divulga um alarme de um ataque terrorista iminente. Fontes vindo de servicos de inteligência indicam que uma coalisão de grupos extremistas locais,  islâmicos e cristãos de um culto do fim do mundo adiquiriram meios de levar adiante um ataque de destruição em massa, que poderá levar à morte milhões de pessoas. Isto se daria na forma de ataques biológicos, químicos, ou até mesmo nucleares em um dos centros mais populosos (notou alguma semelhança com a notícia no início deste artigo?). Então no dia 21 de junho o primeiro ministro do Reino Unido faz uma declaração pública sobre a ameaça.

A foto deste slide é com o David Cameron, que hoje realmente é o primeiro ministro do Reino Unido.

David Cameron faz pronunciamento sobre ameaça terrorista
David Cameron faz pronunciamento sobre ameaça terrorista

Após mostrar o sistema de alerta terrorista em “crítico” (hoje está em “substancial”, dois níveis abaixo), mostra um latão pintado com um símbolo de um sol dentro de uma van branca, estacionada em uma garagem no sudeste de Londres.

Black Jack - Latão em Van

Após um êxodo em massa das grandes cidades, filas gigantescas, policiais prendendo militantes e postos ficando sem gasolina, uma bomba nuclear dentro da van explode em Londres exatamente as 8:03:20 do dia 22, causando um enorme estrago no centro de Londres:

Black Jack - Explosão em Londres
Black Jack – Explosão em Londres

 

Black Jack - Ruínas do Bin Ben
Black Jack – Ruínas do Bin Ben

E no que parece no mesmo horário, mas em diferentes fusos, explosões nucleares ocorrem em Nova York, Washington, Los Angeles e Portland, nos Estados Unidos, Toronto, no Canadá, e também na cidade do México.

Explosões em várias partes do mundo
Explosões em várias partes dos EUA, Canadá e México

Com milhões mortos e um mundo em um caos total, os conspiradores olhando um mapa do estrago dizem que agora é hora para a fase 2 de seu plano. Em um anúncio conjunto, os EUA, o Canadá, o México e a Inglaterra se juntam para formar uma nova nação, chamada de UNA – Union of North America (União da América do Norte). E da nova capital em Denver (alguém pensou naquele aeroporto misterioso nesta cidade?) anunciam que irão iniciar uma operação contra as nações que planejaram e executaram estes atos infames, com ações pelo ar, pelo mar e por terra, além de autorizar outras medidas (nucleares imagino) contra países específicos, atacando o Iran, a Síria e a China.

Ao mesmo tempo, milhares de pessoas que supostamente colaboraram com os ataques são aprisionadas em instalações “especiais”, que seriam possivelmente os campos da FEMA:

Milhares de Pessoas são aprisionadas em instalações "especiais"
Milhares de Pessoas são aprisionadas em instalações “especiais”

E uma nova moeda é criada, o Amero (que realmente tem sido discutida), juntamente com uma nova bandeira:

Nova moeda Amero e nova Bandeira

Em uma retrospectiva, mostram um ano atrás líderes e militares americanos fazendo este plano, Operação Black Jack, frente aos problemas atuais e seu poder se esvaindo, o petróleo acabando, a crise econômica piorando e as forças inimigas ficando mais fortes:

Plano da Operação Black Jack
Plano da Operação Black Jack

Ainda nesta retrospectiva, mostram então o sumiço de ogivas nucleares, que realmente aconteceu, e antecipam uma fase posterior no qual teriam que lidar com insurgentes dentro da União da América do Norte.

Temendo uma novo ataque de “células terroristas internas”, o governo da União da Norte América emite o Ato Contigente 2011, que estabelece:

– Todas as compras, negócios e transações financeiras serão feitas através de uma Cartão de Identificação Biométrico, que seria apresentado por todos os cidadãos. Sentenças de aprisionamento ilimitadas seriam emitidas para quem contrariar esta lei.
– Todos os cidadãos serão obrigados a contatar seu médico para para receber uma vacinação contendo um micro-chip implantável.

Sites alternativos, salas de bate-papo e outros fóruns de discussão foram usados pelos responssáveis do ataque de 22 de Junho. Para evitar o uso da internet para estes propósitos, ações serão tomadas por autoridades regulatorias para prevenir o uso não patriótico de comunicações digitais.

Todos os jornalistas operando dentro da UNA (uniao da norte américa) serão obrigados a contactar com o DHSO (Department of Homeland Security & Oversight) dentro de um mês, para requererem uma Licença para Operações de Imprensa. Todas as pessoas que queiram publicar material para consumo por outras messoas em quaiquer mídia terão que ser registrados e aprovados. Em caso de contravenção, a pena prevista é prisão ilimitada.

Chip Implantável

 

Licença para Imprensa

Surgem protestos por toda a UNA, apesar do banimento de demonstrações públicas, sendo recebidos com extrema força pelas autoridades militares. Violência surge em várias cidades, contrariando o fascismo:

Protestos na UNA
Protestos na UNA

Apesar dos esforços do regime da UNA, a população dos países saem às ruas com as antigas bandeiras, começam a falar de revolução, a UNA começa a perder o controle de um estado depois do outro e a suplementação policial tem efeito limitado. E para não perder o controle total decidem iniciar a fase 3 do plano, para tentar fazer com que a população apoie novamente o país:

Passagem para a fase 3 do plano
Passagem para a fase 3 do plano

A fase 3 consistiria em uma explosão em Boston, a qual seria colocada a culpa em insurgentes. Alguém de dentro da UNA entrega o plano para a polícia de Boston, que intervém e evita a explosão.

A verdade vem à tona, com a descoberta que o material das bombas vieram de dentro da própria UNA, e que todos os ataques foram forjados. Os países se revoltam contra o poder central, que ainda assim investe contra as forcas libertárias que se revoltam contra o governo central.

 

E em menor número e com menos armas, as forças da resistência esperam um ataque da UNA, e a parte 5 da série Operação Black Jack termina com um “continua…“. Todos que acompanhavam a série esperavam a sexta parte, que nunca foi publicada.

Mas foi aí que o mistério começou. Alguém na internet descobriu que alguns slides continham mensagens em hexadecimal:

No slide do cartão biométrico aparece uma mensagem dizendo: “Isto não é apenas entretenimento“.
E um outro slide (abaixo), continha a seguinte mensagem: ““Este é um aviso final deste site – Todos os avisos que se seguirem serão dados em jackblack12.info. Esteja ciente, “Ardent Sentry” . Esteja alerta por Semis com o símbolo do sol. Nem todas as autoridades federais estao envolvidas“. Ardent Sentry foi realmente um exercício militar para treinamento contra ataques usando armas nucleares.

Neste post que escrevi em 2009 eu mostro como fazer a conversão, para quem estiver interessado.

A partir dai, o site jackblack12.info (agora fora do ar) começou a mostrar algumas imagens que pareciam ser uma van em cada uma das cidades atacadas na série, e mostrava também dois contadores regressivos, que algumas pessoas na internet afirmavam ser para 2009 ou 2010, o que obviamente não aconteceu.

Um outro ponto interessante desta série é que o dia 21 de junho, dia dos ataques, é um dia muito especial nas religiões pagas, pois é o solstício de verão no hemisfério norte.

Seria a série Operação Black Jack algo como o jogo de cartas Illuminati, que teve muitas semelhanças com vários eventos reais?

Conclusão

O suspeito wikileaks divulgou documentos que mostram que a Al-Qaeda provavelmente tem em sua posse armas nucleares, e que as usariam no caso de Osama bin Laden ser preso ou morto, e  “coincidentemente”, os EUA agora dizem ter matado Osama e que estariam temerosos de uma retaliação terrorista. Novamente, não quero ser alarmista, mas parece que está sendo seguido um script muito bem planejado, e parece estar muito bem alinhado com a série Black Jack. Creio que seja apenas uma série de ficção, mas não dá para negar que as semelhanças com a realidade são muitas. Cabe lembrar que o jornal The Telegraph na segunda guerra mundial colocou como resultado de palavras cruzadas os nomes secretos das praias onde as tropas aliadas iriam aportar.

Participe também de nossa discussão sobre este assunto no Fórum Anti-NOM!

Fontes:
The Telegraph: Wikileaks: Al-Qaeda plotted chemical and nuclear attack on the West
The Telegraph: Operação Black-Jack

É… o avião caiu!

Publicado: 22/07/2011 em Vídeos

E chapeuzinho vermelho existe!

A tempos queria escrever um post sobre o “acidente” com o presidente da Polônia e as circunstâncias para lá de suspeitas em que ele aconteceu. Neste post vou expor algumas das motivações, as inconsistências da versão oficial, um vídeo que teria sido feito após o acidente, cuja autenticidade foi confirmada pelo serviço secreto polonês, onde policiais estariam atirando em sobreviventes e algumas novidades, como que o serviço secreto polonês afirmou que o vídeo fosse autêntico e que se descobriu 3 vozes estranhas dentro da cabine do avião logo antes do acidente.
Vamos primeiro ver as motivações que levariam a um assassinato do presidente da polônia:

Rejeição a Política de vacinacão em massa contra o H1N1

Vimos meses atrás como a Polônia foi o único país que não se sujeitou às políticas de vacinação em massa impostas pela OMS e os laboratórios farmacêuticos. Neste artigo, de junho de 2009, a Polônia se dizia desconfiada da vacinação e das exigências dos fabricantes de vacinas. Neste outro, A ministra polonesa da Saúde, Ewa Kopacz, afirmou que os governos “não devem ser reféns dos laboratórios”, explicando que a Polónia decidiu recusar encomendas de vacinas contra a pandemia por causa das condições impostas pela indústria, que pareceram “pelo menos duvidosas”. Kopacz também afirmou que os laboratórios recusaram assumir responsabilidade por quaisquer efeitos nefastos das vacinas. Alíás, porque então seria diferente com o Brasil?

Temos ainda este post, no qual mostramos como a Polônia foi elogiada pelo Conselho da Europa por sua estratégia de não vacinação durante a gripe suína.

Rejeição a extensão de crédito do FMI

12 dias antes do acidente, durante uma visita à Varsóvia do diretor do FMI, Dominique Strauss-Kahn, o banco central da polônia emitiu uma declaração afirmando que o país ex-comunista já não precisava de ajuda do FMI:

“A situação da economia polonesa e do sistema financeiro é suficientemente boa … de tal forma que não é necessário pedir ao FMI para uma nova extensão da linha de crédito flexível. O banco central disse que poderia ao invés fazer um empréstimo do FMI para “ajudar outros países a superar os efeitos da crise global.””

A Polônia é o único país que não está em recessão na Europa, é até cresceu 2,75% este ano e 1,7% no ano passado, e as projeções de crescimento são ainda maiores para o próximo ano. Sua dívida é muito baixa quando comparado com outros países em cerca de 50% do seu PIB.

Ameaça a vetar os planos da EU contra mudanças climáticas

Em 2008, a Polônia e a Itália foram os únicos países a ameaçarem vetar os planos da União Européia em relacão às alterações climáticas.

Inconsistências

Alegações que o avião tentou aterrissar várias vezes devido a forte neblina

Apesar de relatos do avião ter tentado pousar 3 vezes em meia a forte neblina, um oficial da aviação russa afirmou à BBC que o avião tentou pousar apenas uma vez. uas outras evidências contradizem a história oficial da neblina: o vídeo amador (que pode ser visto mais abaixo) mostra que não havia nenhuma neblina na área. A outra evidência é que geralmente neblina requer 100% de humidade (a não ser que tenha sido criada artificialmente), e pelo que pode ser visto na informação sobre o tempo em Smolensk, a humidade era de apenas 60%.

Alegações que o Tupolev TU-154 teria histórico de problemas de segurança

Apesar da mídia ter alardeado sobre possíveis problemas de segurança deste modelo de Tupolev, outras fontes informam que este tinha acabado de ter sido revisado, seus três motores reparados e colocados novos equipamentos eletrônicos e de navegação.
O avião também tinha sido instalado um radar TAWS, ou “Sistema de Aviso de Terreno”, que teria disparado um alarme antes de se chocar com uma árvore, que é o que consta dos relatos oficiais.

Alegações que o piloto não falava russo

Vários jornais relataram que o piloto no falava russo e isto gerou confusão durante a aterrissagem. Mas colegas do piloto relataram que este era fluente em russo.

Luzes desligadas no aeroporto

De acordo com o jornal polonês TVN, as luzes foram desligadas na pista, e luzes foram colocadas na foresta de forma a enganar o piloto. Literalmente, falsas lâmpadas foram colocadas e então removidas após o acidente. De acordo com o jornal, quando reporteres questionaram sobre as luzes, foram mandados embora.

Radar desligado antes da visita

De acordo com um artigo da infowars, o rador no aeroporto militar onde o avião presidencial pousaria foi desabilitado após um encontro do primeiro ministro polonês Tusk e Putin uma semana antes do acidente, em uma importante reunião para a qual o presidente e políticos polacos não havia sido convidados.

Corpos

Supostamente, os corpos foram enviados para Moscou e eventualmente contabilizados. Mas isto contradiz a gravação da voz do piloto, no qual relata que havia apenas 4 pessoas a bordo.
PILOTO: “tolko posadka… a u nas CZIETYRJE czielovieka.”
“apenas pousando… e aqui a bordo nós somos apenas QUATRO pessoas”
Provavelmente os supostos passageiros foram levados para outra localização.

Vídeo amador é genuíno

Um vídeo amador postado no youtube, onde pode ser vistos a área do acidente, mostra policiais dando tiros e vítimas correndo e sendo mortas.

De acordo com o jornal polonês Polska Web, os tiros no vídeo amador do local do acidente Tupolev são verdadeiras, segundo o jornal polonês “Nasz Dziennik”, citando fontes do serviço secreto polonês.

Agentes do serviço secreto polonês estavam entre os primeiros no local do acidente, alegadamente correndo lá para proteger o corpo do presidente Lech Kaczynski.

No entanto, verificou-se que o Ministério Público polaco não tem idéia de onde o telefone por satélite de Kaczynski está, de acordo com Polskaweb, embora Kaczynski muito provável teria o telefone próximo a ele na sua hora da morte.

De acordo com meios de comunicação social polaca. agentes poloneses criaram um cordão de isolamento ao redor do corpo de Kaczynski e dispararam tiros de advertência para manter os russos fora.

Essa história não corresponde com as imagens e os diálogo no filme de vídeo amador, que sugerem claramente quatro sobreviventes do acidente foram baleados, o que provocou temores de que os investigadores polacos estariam envolvidos em um encobrimento do assassinato da elite polonesa.

A seguir você pode ver o vídeo que a história acima menciona. Abaixo do vídeo está a tradução do diálogo:

00:13 Calma!
00:18 Olhe-o nos olhos.
00:22 Calma!
00:29 Oh, meu Deus!
00:30 Todas elas!
00:31 Mate-os!
00:38 (sirene soando no aeroporto)
00:45 cercam! Vá ao redor! Ele está fugindo!
00:47 Me dê uma arma.
00:49 Vem cá, seu bastardo!
00:50 Matem-no!
00:51 Não nos matem.
00:51 Não nos matem.
00:55 Meu Deus, meu Deus, o que é isso?
00:55 Shoot.
00:56 (Ruído recarregamento a arma)
00:57 (Tiro # 1)
01:01 Você nunca vai fugir com ele!
01:07 (Tiro # 2)
01:09 (risos)
01:13 Mudança de planos – voltar!
01:14 Voltem todos – mais rápido!
01:14 (Tiro # 3)
01:17 (Tiro # 4)
01:20 Vamos sair daqui.

Neste outro vídeo abaixo, Jane Burguemeister faz um resumo dos acontecimentos em torno do acidente com o presidente da Polônia.

Vozes estranhas na cabine do avião

O jornal australiano ABC News reportou neste 19 de maio que oficiais russos identificaram 3 vozes dentro da cabine do avião logo antes deste cair que não pertenciam a ninguém da tripulação. Eles ainda não identificaram a quem as vozes pertenciam ou o que eles disseram.

O que aconteceu com a Polônia desde então?

Desde o acidente de avião a Polônia teve várias mudanças em sua política, concretizadas desde que o novo primeiro ministro, Bronisław Komorowski, desde que assumiu o cargo.

Marek Belka, diretor do departamento europeu do FMI, ex-primeiro ministro da Polônia e membro do Clube Bilderberg foi nomeado o novo diretor do banco central da Polônia. A nomeação de Marek acontece mais de um mês depois da morte de Slawomir Skrzypek, que era o chefe do banco central, e sendo que a atual prosperidade da Polônia foi atribuída à suas ações.

Também foi sinalizado que a Polônia muito em breve adotaria o euro, o principal instrumento dos globalistas para endividar países e derrubar suas economias.
Além disto, várias privatizações foram anunciadas,.

Atencão: Este artigo poderá ser atualizado com mais informacões que surgirem.

Fontes:
Polska Web: Shots on amateur video genuine, say Polish secret services 
ABC Austrália: Unknown voices in cockpit before Polish plane crash 

Dalje: Poland no longer needs IMF credit line 
EU Observer: Italy, Poland threaten to veto EU climate package
BBC: Was Polish crash pilot under pressure to land? 
PolskaWeb: Polens neuer Nationalbank-Chef in Deutschland gebacken

Charlie Sheen na Causa…

Publicado: 15/07/2011 em Vídeos

Video no Youtube: Charlie Sheen Exige Reabertura da Investigação dos Ataques de 11 de Setembro

Charlie Sheen

Charlie Sheen

O ator Charlie Sheen deu seguimento asua carta “20 minutos com o Presidente”ao se dirigir diretamente ao presidente Obama em um vídeo-clipe no You Tube, para pedir que ele use de seu poder executivo para reabrir o inquérito sobre os eventos de 11 de setembro e suas consequências.

Na terça-feira, Sheen publicou um peça de ficção de um encontro com o presidente americano no qual Obama foi confrontado sobre o que Sheen diz ser um acobertamento acerca dos evento de 11 de setembro. Em sua carta, Sheen solicita um encontro real com Barack Obama.

Agora Sheen levou seu desafio um passo adiante ao aparecer em um vídeo no youtube que pede para Obama ficar “do lado correto da história”, re-abrindo a investigação dos eventos de 11 de setembro, enquanto salienta que a maioria da comissão de investigação publicamente rejeitou a versão oficial do governo, com o ex-senador e membro da comissão Max Cleland que rotulou a resposta do governo às questões da comissão como “repugnante” e “cambalacho”. O vídeo-clipe, o qual eu traduzi para português, segue abaixo.

Faça a sua parte, envie este vídeo para todas as pessoas que você conhece, não deixe a verdade morrer pelos interesses destes que impõem sua política de violência e intimidação pelo mundo inteiro. Agora é a hora das pessoas do mundo inteiro se unirem contra a elite militar e financeira do império anglo-americano. Trazer a verdade acerca dos fatos de 11 de setembro é apenas o começo!!
Nota: Youtube parece estar segurando o contador, que esta parado em 315, embora tenhamos mais de 3000 visualizações desta página sozinha. Deixe seu comentário no youtube para aumentar a proeminência do vídeo nos canais do youtube.

H1N1…

Publicado: 06/07/2011 em Vídeos

Governo: “O que vamos esconder? A verdade ou a Mentira?”

Por http://www.anovaordemmundial.com

Porque Precisamos Destas Informações?

Acho que primeiramente cabe aqui uma breve explicação do porquê de eu ter iniciado esta investigação. Como todos sabem, ano passado tivemos no Brasil uma campanha gigantesca de vacinação contra o vírus H1N1. Não vamos nos aprofundar no mérito da necessidade desta vacina (a gripe sazonal matou no mesmo período do ano passado 27 mais vezes que a gripe H1N1), nem no fato da OMS ter alterado os critérios para declaração de pandemia um mês antes de fazê-lo para favorecer os laboratórios farmacêuticos (veja aqui e aqui). Acontece que durante a vacinação, alguns jornais e emissoras de TV locais, mais difíceis de controlar, publicaram diversos casos de mortes de crianças, casos de paralisia (Síndrome de Guillain-Barre – SGB) e diversos outros problemas de saúde que aconteceram logo após a aplicação da vacina. No entanto, apesar do Ministério da Saúde afirmar que estava monitorando de perto todos os casos de efeitos adversos, as estatísticas nunca foram divulgadas. De acordo com uma nota do Ministério da Saúde publicada ano passado, “O sistema de vigilância de eventos adversos pós-vacinal do Ministério da Saúde possibilita a identificação precoce de problemas relacionados com as vacinas distribuídas ou pós-comercialização, como objetivo de prevenir e minimizar os danos à saúde dos usuários“. Com base nesta informação, achei oportuno que esta informação fosse divulgada, pois as pessoas precisam saber do risco associado à vacina. Apesar dos órgão de saúde insistirem que a vacina não tem nenhum risco, em outra nota (convenientemente retirada do ar) foi afirmado que “”devido à forma acelerada de produção industrial da vacina contra o vírus H1N1, não há no momento dados disponíveis sobre todos os efeitos colaterais…“.

Outra informação solicitada era relacionada aos contratos firmados com os laboratórios que fabricam as vacinas. Foi amplamente divulgado pela mídia internacional (excluindo a tendenciosa mídia brasileira é claro) que os laboratórios farmacêuticos estavam ganhando imunidade legal por quaisquer problemas causados pela vacina H1N1, como eu já havia divulgado  aqui e aqui. A Polônia não promoveu campanha de vacinação, e uma das razões era exatamente a exigência por parte dos laboratórios de que estes não seriam responsáveis legalmente por quaisquer efeitos colaterais (mais detalhes aqui).  No ano passado, em um email com mais mentiras do que verdades sobre a gripe suína, dizia que “Indústrias farmacêuticas receberam imunidade judicial quanto a ações ocasionadas por efeitos da vacina, como morte e invalidez“.  Em uma nota divulgada ao público o Ministério da Saúde se limitou a responder que “Não temos essa informação“. Achei então muito oportuno pedir também que estes contratos fossem divulgados, para que não restassem dúvidas em relação a este rumor, que o próprio Ministério da Saúde e a imprensa corporativa chamaram de boato na época.

Minha Saga

Preocupado com os possíveis efeitos adversos da vacina H1N1 na saúde de meus conterrâneos brasileiros, eu resolvi agir, enviando um email em 28 de Março de 2010 para diversos setores da Anvisa, perguntando quem seria o responsável por tais informações. No dia seguinte, recebi uma resposta informando que “a identificação, notificação, manejo e análise das suspeitas de EAPV – qualquer ocorrência clínica indesejável em indivíduo que tenha recebido algum imunobiológico- relacionadas às vacinas influenza (H1N1) e sazonal, são de responsabilidade da Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunização da SVS/MS (CGPNI/SVS/MS) em colaboração com a Gerência de Farmacovigilância da Anvisa (GFARM/NUVIG/ANVISA)“. Esta pessoa também me informou que estaria enviando minha solicitação ao setor de Farmacovigilância da Anvisa. Após muita insistência, o setor de Farmacovigilância me enviou um email no dia 9 de abril contendo as bulas das vacinas sendo utilizadas. Obviamente respondi dizendo que não era esta a minha solicitação, e no dia 12 de abril fui informado de que quem teria estas informações seria o CGPNI – Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde. Eu então dia 18 de abril enviei um email para o CGPNI, solicitando ” informacão dos casos de efeitos adversos suspeitos e confirmados relacionados com a aplicação da vacina H1N1 até este momento“. Jamais recebi qualquer resposta deste órgão. Resolvi então contatar diretamente, e no dia 26 de abril eu liguei e conversei com a Sandra Maria Deotti, que me informou que iria verificar e responder o meu email nos próximos dias. Desnecessário dizer que ela nunca me respondeu. Após inúmeras tentativas, consegui falar com a Sandra Deotti novamente, e foi quando ela me informou que havia conversado com seu superior e que este havia orientado para não divulgar as informações por mim solicitadas. Eu perguntei se ela poderia me enviar isto por escrito, e ela me respondeu que não. Ela disse ainda que eu deveria fazer uma solicitação formal, direcionada ao Secretário de Vigilância e Saúde. Como morava no exterior, tentei insistir um pouco mais, e contatei outros funcionários no CGPNI, que foram muito solícitos, mas que no fim informaram também que não poderiam divulgar esta informação. A esta altura, totalmente frustrado, enviei um email ao setor de toxicologia informando que havia sido negado o acesso à informação, e pedindo orientações. Fui então informado para contatar a Ouvidoria da Saúde.

Resolvi usar a ouvidoria do ministério da saúde e da Anvisa, que teoricamente deveriam ser os canais corretos para que qualquer cidadão possa obter informações.  No dia 14 de junho consegui criar uma demanda junto à Ouvidoria Geral do SUS, solicitando os números sobre os efeitos adversos da vacina contra o vírus H1N1, e também sobre o conteúdo dos contratos com os laboratórios farmacêuticos fabricantes desta mesma vacina. Acho que seria um insulto à inteligência dos leitores deste blog repetir que mais uma vez fui ignorado. Em 2 de dezembro fiz um novo contato com a ouvidoria para reclamar da demora na resposta.

Ao mesmo tempo, tentei encontrar o órgão responsável por firmar e manter os contratos com os laboratórios farmacêuticos, que deveriam ser capazes de divulgar o conteúdo de um contrato que teoricamente deveria ser público. Dia 28 de abril eu enviei um email ao DECIT (Departamento de Ciência e Tecnologia), o qual eu havia sido informado que teria as informações relativas aos contratos, e este me respondeu que não seria o responsável por tais informações, e que “sua mensagem foi encaminhada para o setor responsável para que suas dúvidas possam ser esclarecidas“. Enviei outro email perguntando qual seria este setor responsável e a resposta foi somente que “Ela irá lhe responder“. Um ano depois e vários emails pedindo uma resposta (os quais foram ignorados), não recebi nenhuma mensagem acerca do paradeiro destes misteriosos contratos.

Ao fim do ano passado, ao ver que teria que tomar uma medida mais drástica para obter qualquer resposta, eu e um advogado leitor deste blog produzimos um ofício formal solicitando ambas as informações descritas acima. O ofício foi enviado no dia 17 de fevereiro, sendo que o advogado recebeu o número do protocolo. Até hoje não recebemos nenhuma resposta sobre o assunto.

Indignação

Agora vocês me digam se não é para ficar indignado? Eu usei de todas as vias legais possíveis para tentar obter esta informação. Fui paciente e civilizado. E nada!!!  Como estas informações, estatísticas de efeitos adversos e contratos com fornecedores de vacina, que em outros países são divulgadas na rede e para a imprensa, aqui no Brasil se esconde atrás de uma burocracia sem fim. O que falta no Brasil é uma lei similar as que existem nos EUA e Inglaterra, a chamada FOIA – Freedom of Information Act (Ato da Liberdade de Informação). Esta lei permite que qualquer cidadão possa solicitar informações ou documentos pertencentes ao estado. Os órgão responsáveis pelas informações e seus representantes podem ser até mesmo punidos se recusarem a informar ou segurarem as informações. Uma lei deste tipo seria ideal para evitar não só estes problemas, mas como poderia acabar com grande parte da corrupção neste país.

Estou colocando abaixo o meu pedido junto à ouvidoria, e logo a seguir, a famigerada resposta que obtive, um mês atrás. Eu irei informá-los se tiver qualquer resposta em relação ao ofício enviado em fevereiro (esperem sentados). Neste meio tempo, o que eu recomendo fazer, é que todos que lerem esta mensagem façam pedidos similares para a ouvidoria do SUS através do Portal da Ouvidoria ou do número 0800 61 1997. Vamos ver se conseguirão ignorar a todos! E por favor, escrevam a sua experiência nos comentários deste post. Participe também da discussão em nosso fórum Anti-NOM.

_______________________________________________________________

Solicitação junto a Ouvidoria do SUS:

Recebemos a manifestação por meio do serviço disque saúde na qual o cidadão solicita dados existentes sobre os casos de reações adversas da vacina h1n1 no brasil de forma mais detalhada possível com quebra por gênero, idade, estado, tipos de reação, gravidade se foi confirmado ou nao e a razão de terem ou não sido confirmados, incluindo resultados de quaisquer exames e diagnósticos relativos ao
Caso. Se possível o cidadão gostaria que essas informações fossem exportadas para um arquivo que possa ser importado em um banco de dados (arquivo texto separado por vírgulas) . O cidadão gostaria também que fossem divulgados os contratos firmados com os laboratórios fabricantes da vacina h1n1. O cidadão informa que entrou em contato com diversos órgãos tentando obter essas orientações,
Primeiramente com a sra. Mirtha susana yamadatanaka ( e – m a i l : susana.Tanaka@anvisa.Gov.Br) no dia 29/03/2010 onde a mesma o encaminhou para o setor de farmácia e vigilância. Recebeu a reposta do referido setor no dia 12/04/2010 dizendo que o responsável seria a coordenação geral do programa nacional de imunizações. O cidadão encaminhou um e-mail para o cgpni no dia 18/04/2010 solicitando novamente as informações mencionadas acima no qual nunca recebeu a resposta. No
Dia 26/04/2010 o cidadão ligou na cgpni onde conversou com a sra. Sandra maria deotti que iria verificar o e-mail do cidadão e iria responder o quanto antes, porém tentou contato diversas vezes sem êxito. No mesmo órgão conversou com a sra. Ivone também sem resposta satisfatória. No dia 14/05/2010 falou novamente com sra. Sandra a mesma disse que conversou informalmente com seus superiores onde não teve sucesso e indicou o cidadão a procurar diretamente o secretário de vigilância em saúde, sr. Gerson pena. O cidadão encaminhou um e-mail para ele e oito pessoas diferentes do
Mesmo gabinete porém em nenhum dos contatos conseguiu uma resposta até o momento. Após isso o cidadão retornou o contato para a cgnpi onde conversou com a sra. Silvia cristina vieira silva lima (silvia.Cristina@saude.Gov.Br). Segundo cidadão a sra. Silvia foi bem atenciosa e prometeu resolver sua situação. No dia 19/05/2010 a sra. Silvia pediu por e-mail uma solicitação formal e garantiu o pronto-atendimento da demanda, o cidadão encaminhou o e-mail imediatamente. No dia 11/06/2010 o cidadão ligou para a sra. Silvia e a mesma informou que havia enviado sua solicitação para o setor
responsável e que não tinha resposta ainda, pediu para o cidadão passar um e-mail com todo o ocorrido até momento para que pudesse pressionar o setor responsável na cgpni.

Observação do atendente:
O cidadão conversou com a sra. Sandra novamente no dia 14/05/2010. A mesma Disse que conversou informalmente com seus superiores onde mesmos informaram que não forneceriam tal informação. Quando o cidadão solicitou essa resposta formalmente via e-mail a sra. Sandra se negou a fornece-la.
O cidadão não souber informar o setor responsável no qual a sra. Silvia encaminhou a sua demanda.

Data: 08/12/2010 12:10:46
Observação do cidadão:
Em 08/12/2010 cidadão entrou em contato novamente para reiterar a sua manifestação e solicitar que a copia do espelho da demanda seja enviada para o seu e-mail.

_______________________________________________________________

Resposta Ouvidoria SUS

Mensagem de conclusão da demanda

Prezado(a) sr(a) XXXXXXXXXXXXXX,

Referente a sua demanda sob o protocolo: 227070

Esclarecemos que o departamento de ouvidoria do sus tem como atribuições, dentre outras: receber solicitações, reclamações, denúncias, elogios, informações e sugestões encaminhadas pelos usuários do sus e levá-las ao conhecimento dos órgãos competentes sejam eles federais, estaduais ou municipais.

Por oportuno, informamos que por oportuno informamos que a seguinte resposta foi fornecida pela coordenação geral do programa nacional de imunização – pni/devep/svs a este departamento de ouvidoria: “” considerando a solicitação contida por meio do protocolo de atendimento de nº 227070 que solicita dados de reações adversas pela utilização da vacina contra a gripe pandêmica h1n1, a coordenação geral do programa nacional de imunização tem a esclarecer: a organização mundial de saúde (oms) em 11 de junho de 2009 deferiu o alerta máximo de uma pandemia com o novo vírus influenza pandêmico (h1n1). A figura abaixo mostra a disseminação da doença em diversos países, confirmando uma pandemia. Segundo a oms, do início da pandemia ao final do ano epidemiológico de 2009, em 2 de janeiro de 2010, houve notificação de circulação do vírus pandêmico em 208 países, territórios ou comunidades. Sendo que no final do ano de 2009, as áreas com maior atividade na transmissão eram o centro, o oeste e o sudeste da europa, norte da áfrica e sul da ásia. Em 2009, foram notificados 12.799 óbitos confirmados laboratorialmente. A tabela abaixo mostra regiões com representação da oms, com países e população, apresentando a taxa de mortalidade e óbitos por influenza pandêmica. Acredita-se que este número esteja subestimado, pois representa apenas casos confirmados laboratorialmente. Muitos podem ter sido confirmados por critério de vínculo epidemiológico ou não classificados, o que aumenta o número e a taxa de mortalidade. No mesmo período, o brasil registrou 2.051 óbitos por influenza pandêmica em 2009, apresentando uma taxa de mortalidade de 1,1/100 mil habitantes. Entre a semana 29 e 52/2009 foram notificados 87.171 casos de síndrome respiratória aguda grave (febre+tosse+dispnéia), sendo que 44.544 (51,1%) foram confirmados para influenza pandêmica h1n1. O rápido progresso da doença aliado à alta susceptibilidade dos indivíduos levou a crer que boa parte da população mundial poderia ser afetada nos próximos anos, suscitando aos países o desenvolvimento de estratégias de vacinação contra o referido vírus. Os programas de vacinação têm sido uma das medidas mais seguras e custo-efetivas em saúde pública. Não há nenhum outro procedimento que produza resultados tão excelentes na redução de morbimortalidade e que apresente tantas possibilidades, como a de erradicar doenças. As práticas de vacinação programadas e organizadas têm permitido evitar milhões de mortes e incapacidades ao longo da história, como por exemplo, a erradicação da varíola no mundo, a eliminação da poliomielite em várias regiões do planeta, a interrupção da transmissão endêmica do vírus do sarampo, além da eliminação da rubéola e síndrome da rubéola congênita no brasil. As vacinas são aplicadas a pessoas ou indivíduos sadios de maneira que sua inocuidade e qualidade revestem-se de grande importância. As vacinas atuais são muito seguras, pois cumprem estritos parâmetros de qualidade desde sua produção até a sua aplicação. Em geral, estão entre os produtos farmacêuticos mais seguros para o uso humano, proporcionando amplos benefícios à saúde pública de um país. A vacinação segura constitui um componente prioritário do programa nacional de imunizações do ministério da saúde do brasil, o qual procura garantir a utilização de vacinas de qualidade, aplicar rigorosamente as boas práticas de imunização, monitorar os possíveis eventos adversos pós-vacinação (eapv) que por ventura possam ocorrer, além de fortalecer alianças com os meios de comunicação com mensagens claras sobre as estratégias, prioridades e segurança da vacinação. As vacinas influenza pandêmica h1n1 utilizadas no brasil foram produzidas pelo instituto butantã por meio de acordo de transferência de tecnologia do laboratório sanofipasteur, laboratório glaxosmithkline (gsk), e laboratório novartis, segundo as recomendações da organização mundial da saúde (oms). Para esclarecimento em relação à composição das vacinas pode-se dizer que as vacinas têm, em geral, quatro componentes: antígeno: é o componente mais importante, cujas características são dependentes do tipo de vacina. Pode ser um agente infeccioso inativado ou atenuado, partes do agente, toxóides bacterianos inativados, dentre outros; solvente: pode ser apenas água estéril, mas pode também ter pequenas quantidades dos constituintes biológicos em que são produzidas as vacinas (proteínas, células de meios de cultura); conservantes, antibióticos, estabilizadores: são substâncias que servem para evitar invasões bacterianas ou dar estabilidade ao antígeno, tais como: o 2-fenoxietanol e o tiomersal ou timerosal, que são os conservantes mais utilizados; adjuvantes (adjuvare, ajudar): adjuvantes são produtos, que se usam frequentemente na composição de vacinas para melhorar a resposta imunológica e conferir proteção de longa duração. Uma de suas vantagens está na capacidade de produzir mais vacinas a partir de uma dada quantidade de antígeno, permitindo, portanto que se vacinem mais pessoas. Entre os mais utilizados se incluem certos sais de alumínio e emulsões (derivados do escaleno – as03 e mf59). Os sais de alumínio quando administrados promovem uma reação inflamatória local com estimulação das células dendríticas, que participam da resposta imunológica e assim conferem proteção de longa duração. Entende-se por evento adverso pós-vacinação (eapv) todo agravo à saúde relacionado temporalmente à vacinação, causado ou não pela vacina administrada. Esses eventos podem ser relacionados à composição da vacina, aos indivíduos vacinados, à técnica usada em sua administração ou a coincidências com outros agravos. De acordo com sua localização podem ser locais ou sistêmicos e de acordo com sua severidade ou intensidade, podem ser leves, moderados ou severos. As vacinas influenza têm um perfil de segurança excelente e são bem toleradas. São vacinas inativadas, o que significa que contem somente vírus mortos e há comprovação que não podem causar a doença. Entretanto alguns eventos adversos são relatados. Manifestações locais como dor e sensibilidade no local da injeção, eritema e enduração ocorrem em 10% a 64% dos pacientes, sendo benignas e autolimitadas geralmente resolvidas em 48 horas. Em quase todos os casos há uma recuperação espontânea e não requerem atenção médica. ? possível também que apareçam manifestações gerais leves como febre, mal estar e mialgia que podem começar entre 6 e 12 horas após a vacinação e persistir por um a dois dias. Essas manifestações são mais frequentes em pessoas que não tiveram contato anterior com os antígenos da vacina (por exemplo as crianças). Reações de hipersensibilidade são raras e podem ser devido à alergia a qualquer componente da vacina.””.

Com o objetivo de avaliar o atendimento prestado por esta ouvidoria do sus, solicitamos gentilmente que o(a) sr(a) entre em contato conosco para confirmar as informações acima, num prazo máximo de 60 dias a contar desta data.

Caso não haja nenhuma manifestação contrária sua demanda será considerada atendida e arquivada.

Atenciosamente,

Ouvidoria do sus

Mensagem automática. Não responda este e-mail.

Ouvidoria geral do sus
Ministério da saúde
Setor da administração federal (saf) sul
Quadra 2 lotes 05/06 ed. Premium torre i
3º andar sala 305
70070-600, brasília-df, 0800 61 1997

 

 

 

 

 

 

 

 

 

H1N1…

Publicado: 06/07/2011 em Textos

A vacina e toda a corrupção envolvida na suposta Pandemia

Esta é uma lista atualizada, com mais de 58 notícias com os links originais, que expoêm as mentiras que envolvem a gripe H1N1 e a suposta pandemia, os perigos da vacina e o envolvimento dos laboratórios farmacêuticos. Ajude a divulgar, não podemos descansar apenas porque a vacinação acabou. Muito em breve virão com um novo vírus, e uma nova vacina, e o povo vai cair direitinho novamente.

Casos de Mortes, abortos e reações advertas

– Paraná: Homem que tomou vacina contra H1N1 contrai gripe suína
http://tnonline.com.br/noticias/regiao/32,23369,18,05,homem-que-tomou-vacina-contrai-gripe-suina.shtml
– Belo Horizonte: Morte após reação adversa da vacina H1N1 – Família de jovem morta acusa Samu de omissão
http://www.hojeemdia.com.br/cmlink/hoje-em-dia/minas/familia-de-jovem-morta-acusa-samu-de-omiss-o-1.112864
– Assustador: Relato de reação adversa a vacina H1N1
http://www.anovaordemmundial.com/2010/05/assustador-relato-de-reacao-adversa.html
– Alagoas: Menina morre após tomar vacina
http://gazetaweb.globo.com/v2/gazetadealagoas/texto_completo.php?cod=163522
– [VIDEO] SBT Maranhão: Criança de 1 ano e 10 meses morre após receber a segunda dose da vacina H1N1
http://www.anovaordemmundial.com/2010/05/sbt-maranhao-crianca-de-1-ano-e-10.html
http://www.youtube.com/watch?v=zCwHliHTiAc&feature=player_embedded

– Ceará: Sogro do cantor Waldonys morreu depois de ser vacinado contra H1N1
http://www.oestadoce.com.br/?acao=noticias&subacao=ler_noticia&cadernoID=22&noticiaID=26930
– [VIDEO] Rondônia: Grávida perde bebê após tomar vacina da gripe suína
http://www.jaruonline.com.br/noticiascapa/nubia.htm
http://www.youtube.com/watch?v=s3-yhlNz9is&feature=player_embedded
http://www.anovaordemmundial.com/2010/05/video-rondonia-gravida-perde-bebe-apos.html
– ZeroHora: Jovem tem pernas paralisadas após receber a vacina contra a gripe suína no Rio Grande do Sul
http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default.jsp?uf=1&local=1&section=Geral&newsID=a2887130.xml
– Urgente! Rapaz de 26 anos morre após vacinação
http://www.anovaordemmundial.com/2010/04/urgente-rapaz-de-26-anos-morre-apos.html
http://www.youtube.com/watch?v=b0hUG_Rs3Uo&feature=player_embedded
– Tanque Novo: Criança morre após tomar vacina H1N1
http://www.faroldacidade.com.br/?lk=4&id=16356
– Suécia: Gripe A: Homem morre após tomar vacina
http://www.cmjornal.xl.pt/noticia.aspx?channelid=00000021-0000-0000-0000-000000000021&contentid=8112C1BA-548F-4674-B311-6ED64019417C
– [VIDEO] Bebê é internado após tomar vacina contra gripe H1N1 em SP
http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia182/2010/03/31/brasil,i=183046/CRIANCA+DE+1+ANO+E+8+MESES+FOI+IMUNIZADA+CONTRA+O+VIRUS+A+E+PASSOU+MAL+NO+DIA+SEGUINTE.shtml
http://www.youtube.com/watch?v=OzsxhMAPWpU&feature=player_embedded
– [VIDEO] Grávidas perdem bebé depois de tomar vacina da Gripe A
http://www.ionline.pt/conteudo/33149-gravida-perde-bebe-depois-tomar-vacina-da-gripe-a
http://www.youtube.com/watch?v=bk4HOWPpA7o&feature=player_embedded
– Pará: Bebê morre ao receber vacina contra Gripe A
http://notapajos.globo.com/lernoticias.asp?id=32386
– Austrália interrompe vacinação H1N1 para crianças menores de 5 anos após aumento no número de reações adversas
http://www.perthnow.com.au/news/was-free-influenza-vaccination-program-has-been-suspended-for-children-under-five/story-e6frg12c-1225857140885
Tradução: http://www.anovaordemmundial.com/2010/04/australia-interrompe-vacinacao-h1n1.html
– China Reporta Problemas de Paralisia com a Vacina Contra a Gripe Suína / H1N1
http://mais.uol.com.br/view/f4d5g8hwtbxo/vacinados-contra-gripe-a-na-china-tem-reacoes-adversas-04023160E4B93366?types=A&
http://www.chinadaily.com.cn/cndy/2010-03/25/content_9638266.htm
Tradução: http://www.anovaordemmundial.com/2010/03/china-reporta-problemas-de-paralisia.html
– Realidade – Vacinacao H1N1 nos EUA: 3.800 casos serios, 66 mortes, 96 Guillain-Barré e 102 abortos
http://alturl.com/5j2x